Navigation

Vacinas não significam 'zero covid', alerta OMS

O Reino Unido se tornou na quarta-feira, o primeiro país ocidental a aprovar o uso de uma vacina contra a pandemia afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 04. dezembro 2020 - 16:54
(AFP)

A distribuição das vacinas contra a covid-19 não eliminará a pandemia - advertiu a Organização Mundial da Saúde (OMS), nesta sexta-feira (4).

"As vacinas não significam zero covid. Vacinas e [campanhas de] vacinação não resolverão por si só o problema", explicou o diretor de Emergências da OMS, Michael Ryan, em entrevista coletiva por videoconferência.

"Nem todo mundo terá acesso às vacinas no início do ano que vem", afirmou.

O Reino Unido se tornou na quarta-feira, o primeiro país ocidental a aprovar o uso de uma vacina contra a pandemia.

O diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, explicou que o progresso vivido nesse ano no campo das vacinas "nos dá tranquilidade, podemos começar a ver uma luz no fim do túnel".

"Mas a OMS está preocupada diante da crescente percepção de que a pandemia acabou", alertou.

"A verdade é que nesses momentos, muitos países estão sofrendo uma alta transmissão do vírus, o que impões uma enorme pressão nos hospitais, nos cuidados intensivos (UTIs) e aos profissionais da saúde", completou.

O mundo chegou aos 65 milhões de casos registrados nesta sexta-feira (4).

O novo coronavírus, que surgiu oficialmente na China há quase um ano, já matou mais de 1,5 milhões de pessoas.

Partilhar este artigo

Modificar sua senha

Você quer realmente deletar seu perfil?