Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Biomedicina "Ainda vai levar dois anos até termos um remédio específico para o coronavírus"

provetas

Usar anticorpos de pessoas curadas para tratar pacientes doentes é o que IRB pretende fazer na luta contra o coronavírus.

(Keystone / Olivier Hoslet)

O Instituto de Pesquisa Biomédica de Bellinzona, no cantão do Ticino, participa dos esforços internacionais para desenvolver terapias e vacinas contra o coronavírus. Entrevista com o diretor do laboratório, Luca Varani.

Em funcionamento desde 2000, o Institute for Research in Biomedicine (IRB)Link externo é um centro de referência internacional no campo dos mecanismos de defesa imunológica. No Instituto em Bellinzona, entre outras coisas, foram identificados anticorpos e moléculas capazes de combater os vírus responsáveis pela SARS e MERS.

A sua experiência é agora necessária para lidar com a atual pandemia de Covid-19. Um consórcio liderado pelo IRB é um dos vencedores de um concurso da Comissão EuropeiaLink externo, que destinou quase 50 milhões de euros para a investigação urgente de novas vacinas, terapias e testes de diagnóstico. O objetivo do consórcio - que inclui o Hospital San Matteo em Pavia (Itália), a Universidade de Braunschweig na Alemanha e o Instituto Karolinska na Suécia - é desenvolver novas imunoterapias contra o novo coronavírus, explica Luca VaraniLink externo, diretor do laboratório do IRB e promotor do consórcio de pesquisadores.

Quais são as drogas usadas contra o coronavírus?

Atualmente, não há tratamento específico contra o novo coronavírus. Por isso usamos antivirais já usados para combater a SARS, MERS, HIV e vírus Ebola. Os remédios potenciais incluem a cloroquina, que é usada na prevenção e tratamento da malária, e um medicamento desenvolvido para combater a artrite reumatóide. Pesquisadores chineses, por sua vez, estão a desenvolver medicamentos fitoterápicos.

Aqui termina o infobox

swissinfo.ch: Novas imunoterapias contra o coronavírus... de que se trata exatamente?

Luca Varani: Vou começar com um exemplo. Lembremos de quando éramos crianças e pegamos varicela (catapora). Só a obtemos uma vez na vida porque o nosso sistema imunológico produz anticorpos capazes de derrotar a doença assim que esta se repete. Os anticorpos também são produzidos no caso de uma infecção por coronavírus e são o que justamente nos interessa.

O senhor pode explicar melhor…?

Pegamos um paciente que está curado do coronavírus: no seu corpo estão os anticorpos que derrotaram o vírus. A nossa ideia é usá-los como um medicamento para tratar uma pessoa doente.

especiais

COVID-19 Coronavírus na Suíça

Era apenas uma questão de tempo até que o coronavírus, o COVID-19, chegasse à Suíça. Quantos casos já ocorreram? Quais as medidas tomadas pelo governo? A que ponto a pandemia afeta a economia do país. Essas informações são apresentadas neste dossiê.

Parece fácil em teoria. Tirar sangue de uma pessoa curada e injetá-lo em um paciente doente?

Nós temos três abordagens diferentes. A primeira abordagem é, na verdade, retirar sangue de doentes curados pela Covid-19, extrair anticorpos e administrá-los aos doentes. É um método simples e rápido, mas tem a desvantagem de exigir doações de sangue contínuas de indivíduos curados. É um tratamento que tem sido usado há mais de um século. Por exemplo, foi usado experimentalmente durante a última epidemia de Ebola.

Na segunda abordagem, fragmentos de anticorpos presentes no corpo da pessoa curada são tomados, agitados e novos anticorpos são reconstruídos no laboratório. É uma técnica desenvolvida no início dos anos 90 e hoje existem vários medicamentos no mercado que têm sido produzidos desta forma.

Neuer Inhalt

newsletter subscription

Assine a nossa Newsletter e acompanhe as atualidades direto da Suíça

A terceira abordagem é uma especialidade do IRB. Procuramos não todos os anticorpos no paciente curado, mas apenas os melhores, ou seja, aqueles que já demonstraram ser capazes de derrotar o coronavírus. Depois produzimo-los artificialmente e administramo-los como droga. A vantagem é que podemos produzi-los indefinidamente.

No entanto, o vírus Covid-19 pode sofrer uma mutação. Não há o risco de desenvolver um medicamento com eficácia limitada?

Como as bactérias, os vírus podem mesmo sofrer uma mutação. É por isso que não temos uma droga contra o vírus HIV. No caso do coronavírus, existem duas soluções: desenvolver um coquetel de dois ou três anticorpos, ou criar anticorpos "bi-específicos". Estes últimas permanecem eficazes mesmo no caso de mutações e são uma das especialidades do meu grupo de pesquisa. Desenvolvemos anticorpos deste tipo já durante o surto de zika em 2017.


"Nós desenvolvemos tais anticorpos durante o surto de Zika em 2017."

Aqui termina a citação

Quanto tempo levará até termos um medicamento específico para o novo coronavírus?

Uma vez desenvolvidos, forneceremos estes anticorpos bi-específicos ao Hospital de Pavia, que os testará in vitro sobre o vírus retirado dos pacientes. Os primeiros resultados científicos devem chegar dentro de 3-6 meses. Demorará, na melhor das hipóteses, pelo menos dois anos até termos um medicamento aprovado.

O interessante é que a informação que vamos obter também pode ser usada para o desenvolvimento de uma vacina.

O IRB é famoso internacionalmente pelas suas descobertas no campo dos vírus da gripe, SARS e MERS. Como esses avanços podem ser usados para enfrentar a atual crise do coronavírus?

Os métodos e testes celulares que aplicamos hoje para o novo coronavírus foram desenvolvidos durante a pesquisa não só sobre a SARS e MERS, mas também sobre outras infecções virais. Além disso, existem anticorpos desenvolvidos no caso da SARS que também funcionam para o Covid-19, embora muito menos eficazmente. Mas já é um ponto de partida.

Uma coisa deve ser salientada: a ciência não é feita para agir rapidamente e não pode reagir a emergências. É por isso que deve ser sempre apoiada. Em 2003 todos estavam a falar da SARS, mas depois ela foi esquecida. Mas os vírus que causam a SARS e a Covid-19 são semelhantes: se tivessem sido disponibilizados fundos para desenvolver uma vacina contra a SARS, provavelmente agora também teríamos uma vacina para o coronavírus.



Adaptado do original em italiano por Eduardo Simantob

Neuer Inhalt

Horizontal Line


Teaser Instagram

Siga-nos no Instagram

Siga-nos no Instagram

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.