O que estão fazendo os cientistas suíços na linha de frente do coronavírus

Uma micrografia eletrônica colorizada de uma célula infectada com o vírus SRA-COV-2 que causa a doença Covid-19. Keystone / Niaid/national Institutes Of Hea

Enquanto a Suíça continua a ser um foco crítico de casos de Covid-19, cientistas e empresas farmacêuticas suíças estão desempenhando um papel importante no esforço global para desenvolver tratamentos ou uma vacina para o vírus. 

Este conteúdo foi publicado em 31. março 2020 - 17:20
Clare O'Dea

"A comunidade científica respondeu muito mais eficazmente ao surto de Covid-19 do que ao surto da SARS", disse Francesco Stellacci, professor do Instituto Federal de Tecnologia de Lausanne (EPFL).  

Stellacci tem trabalhado no desenvolvimento de um medicamento anti-viral de largo espectro nos últimos 10 anos. Em uma entrevista publicada pela EPFL, ele disse que os dados foram compartilhados muito rapidamente e que todos se ajudaram mutuamente.  

Conteúdo externo

"A comunidade científica compreendeu verdadeiramente a importância de expandir o âmbito da investigação e partilhar tudo abertamente." 

A colaboração parece estar dando frutos. Apenas três meses se passaram desde que as autoridades sanitárias chinesas informaram pela primeira vez a Organização Mundial de Saúde sobre um grupo de 41 pacientes com uma misteriosa pneumonia em Wuhan, em 31 de dezembro. Apesar do curto espaço de tempo, há já bastante progresso a relatar do lado da pesquisa.  

Progresso e convocatória para propostas 

O Departamento de Imunologia do Hospital Universitário de Berna está trabalhando em uma vacina desde janeiro. As sequências iniciais do vírus foram rapidamente isoladas. A vacina já foi testada em animais.   

Enquanto isso, Peter Burkhard, um imunologista com um laboratório privado no cantão da Basileia, também desenvolveu um precursor da vacina Covid-19, que foi testada em animais e agora ele está testando em si mesmo. Veja a reportagem completa neste vídeo da swissinfo.ch (em inglês).  

Em breve, haverá mais pesquisas em andamento, depois que a Fundação Nacional de Ciência Suíça (SNSF) lançou, em 25 de fevereiro, um edital de emergência para propostas de pesquisa sobre coronavírus, "para enfrentar a crise atual e se preparar para futuras prováveis epidemias". Uma soma de CHF 5 milhões (US$ 5,2 milhões) foi destinada a diversos projetos.   

A primeira convocatória deste tipo organizada pelo SNSF recebeu 220 propostas. A maioria dos projetos são da área biomédica, incluindo estudos de vírus e infecções, a resposta imunológica em humanos e a propagação da doença.   

Os projetos selecionados "fornecerão uma base para o desenvolvimento industrial subsequente de agentes ativos". Os subsídios disponíveis variam entre CHF 50.000 e CHF 300.000 por projeto.  

O caminho anti-viral

A melhor defesa contra este vírus é uma vacina, mas como provavelmente levará pelo menos 18 meses para desenvolver uma, um medicamento anti-viral de largo espectro poderia nos dar algum tempo, disse Franceso Stellaccio.   

Embora uma cura milagrosa ainda seja o sonho de todos aqueles que trabalham duro no laboratório, Stellaccio explica que um medicamento menos eficaz também seria benéfico para a sociedade.  

"Dados atuais mostram que cada pessoa que apanha o vírus infecta em média 2,6 outras pessoas". Portanto, um medicamento com uma eficácia de 50% reduziria esse número para 1,3, e isso retardaria consideravelmente a propagação do vírus".  

Re-orientação de medicamentos 

Às vezes acontece que uma droga desenvolvida para uma doença possa revelar-se útil para outras indicações. Num desenvolvimento promissor, a Relief Therapeutics, com sede em Zurique, está a fazer progressos com a sua droga de disfunção eréctil Aviptadil, que tem sido considerada útil no tratamento de pacientes com Síndrome Respiratória Aguda (SRA).   

Com o coronavírus, a morte é causada principalmente pela SRA, em que a inflamação grave faz com que os pulmões se encham de líquido. Aviptadil é uma formulação patenteada de Polipeptídeo Intestinal Vasoativo (VIP), um hormônio peptídeo que ocorre naturalmente e que se concentra nos pulmões.   

A Relief Therapeutics anunciou em 26 de março que havia encaminhado um novo pedido de análise de medicamentos junto à Food and Drug Administration (FDA) dos EUA, em colaboração com uma empresa americana de desenvolvimento de drogas, a NeuroRx. O pedido é para um teste de segunda fase de Aviptadil no tratamento de insuficiência respiratória aguda e moderada em pacientes infectados pelo coronavírus.   

Também na última semana, a gigante farmacêutica suíça Roche anunciou que estava lançando um teste clínico de um novo medicamento potencial para a Covid-19. Trata-se de outro caso de re-orientação. A Roche está trabalhando com a FDA e o governo dos EUA para iniciar um teste de fase três para avaliar a segurança do Actemra, um medicamento usado para tratar duas doenças inflamatórias. O medicamento é conhecido como RoActemra fora dos EUA. Como relatado em 20 de março, o estudo compreenderá cerca de 330 pacientes no mundo todo a partir do próximo mês, inclusive nos EUA. O Actemra funciona inibindo a resposta imunológica do corpo.  

Detectando a imunidade 

Entretanto, vários hospitais universitários suíços - em Zurique, Lausanne, Genebra e St. Gallen - preparam-se para realizar testes serológicos para detectar a presença de anticorpos Covid-19 no sangue.   

O objetivo é estimar a proporção da população que já é imune à doença. Quanto maior for a proporção, melhor será a proteção contra uma segunda onda de infecções.   

"Hoje sabemos que temos um certo número de pessoas infectadas, mas não temos o denominador exato, porque apenas pessoas sintomáticas estão sendo testadas. Seria útil ter esses números para administrar melhor a crise como um todo", disse Gilbert Greub, médico sênior do Instituto de Microbiologia do Hospital Universitário de Lausanne, à televisão pública suíça RTS.   

Embora muitos caminhos diferentes estejam sendo seguidos simultaneamente, não haverá uma solução rápida para o problema imediato através de uma droga ou vacina. O professor Stellacci enfatizou a importância de gerenciar as expectativas do público neste momento estressante.

"Temos que ser mais claros sobre o que estamos fazendo, os desafios que enfrentamos e o tempo que isso levará. Caso contrário, podemos estar a vender falsas esperanças". 

Conteúdo externo

​​​​​​​

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo