Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Alpes Suíços no verão Na medida certa para turistas brasileiros

Apaixonada pelo calor, passeios e cenários alpinos, a blogueira de viagem e guia Juliana Guimarães comprovou uma antiga suspeita: a de que o verão é uma ótima época para fazer turismo pela Suíça. E, para isso, escreveu um livro. swissinfo.ch foi checar.

Juliana Guimarães com o seu livro "Calor nos Alpes", fotografada em Zurique.

Juliana Guimarães com o seu livro "Calor nos Alpes", fotografada em Zurique.

(swissinfo.ch)

De mochila e passe de trem nacional, viajou por 15 dias em agosto do ano passado e desfrutou das mais lindas paisagens proporcionadas pelas rotas de trens panorâmicas que cortam o país. Conheceu vilas históricas, voou de parapente em Interlaken, apreciou serras com picos nevados e lagos de águas cristalinas. Ela passou por nove cidades, fazendo até três passeios por dia, pegou chuva no acampamento, nadou, caminhou por trilhas e até perdeu quatro quilos de tanto que se divertiu.

O resultado da aventura se transformou no livro Calor nos Alpes, Guia da Suíça no VerãoLink externo. Lançado em português no Brasil em julho, traz histórias de suas aventuras, dicas de passeios, 112 fotos, ilustrações e informações importantes para turistas brasileiros que pensam em fazer uma viagem completa pelo país. Quase todas dicas de passeios são válidas para pessoas de todas as idades, inclusive idosos e bebês.

Frio prejudica o turismo

Como a maioria das brasileiras que emigram, Juliana teve que se reinventar na Suíça, onde vive há três anos com o marido colombiano. Uniu seus conhecimentos de publicitária com a curiosidade de andarilha e começou a escrever o blog de viagens Eu Ando pelo MundoLink externo. A princípio era só um hobby, mas a página se profissionalizou. Hoje vende serviços de turismo, como tours e entradas em atrações; tem links para aluguel de carro e parceira com um site de reservas on-line

O tino de empresária alertou a blogueira para um lado não explorado do mercado: promover o país fora do circuito neve-esqui. Como organiza passeios turísticos para brasileiros e latino americanos em Zurique e arredores, diz que que percebia a frustração com o frio. Como viaja muito pelo país para escrever o blog, Juliana se intrigava porque sabia que o período de calor é especialmente rico em opções de atividades.

"Ao ver tantos brasileiros decepcionados com os dias nublados e mais curtos típicos da estação gelada, eu comecei a questionar o porquê de escolherem uma época tão desfavorável. Cheguei a presenciar alguns dizendo que aquele tinha sido o pior frio da vida deles. Eles vêm querendo encontrar paisagem do cartão postal e muitas vezes só veem graduações de cinza. Pois justamente no verão as cidades costumam se encher de vida, os dias são mais longos e os termômetros chegam a marcar temperaturas altas", explica.

Sair do clichê

Certa de que tinha descoberto uma oportunidade de mercado e ávida por sair pelo país com sua máquina fotográfica e bloco de anotações, Juliana partiu para a sua empreitada. Primeira missão: convencer possíveis patrocinadores de que era preciso incentivar o turismo do país nos trópicos de forma diferente. "Eu queria provar que não há necessidade de seguir um roteiro clichê de visita no inverno para curtir os Alpes. Eu entendo que muitos queiram ter uma experiência de neve, mas esse é exatamente o diferencial da Suíça: dá para curtir os picos nevados no verão também. Em algumas montanhas, o gelo não derrete nunca". Com esse discurso, a blogueira conseguiu apoio de vários patricinadores, dentre eles a Secretaria de Turismo de Interlaken, que ajudaram na finalização de seu livro, que foi escrito e impresso de forma independente.

O roteiro foi montado em conjunto com um dos patrocinadores e priorizou as rotas mais bonitas do trem panorâmico, que cortam as paisagens cinematográficas do país. Era importante, no entanto, que os roteiros contassem sempre com acessibilidade por transporte público - trem ou ônibus. Os trajetos têm em média entre duas e três horas, com exceção das rotas Bernina e Glacier Express, que oferecem circuitos mais longos. 

Após convencer o escritório suíço e conseguir o passe de trem, pegou sua máquina fotográfica, bloco de anotações, arrumou sua mochila e preparou a barraca de camping com o marido, que a acompanhou em uma parte do trajeto e depois passou o bastão para a irmã de Juliana

Atrações na Suíça

Dia 13 de agosto saiu de Zurique e já vivenciou um dos melhores momentos da aventura: um piquenique na beira do lago com o pôr do sol e os alpes ao fundo. Depois foi de trem até St. Moritz, na rota do Bernina ExpressLink externo. Experiência pela qual diz ter se apaixonado: montanha de um lado, precipício e natureza de outro, trem pontual e com panorama.

A viagem continua em direção a Lugano, na Suíça italiana, outro lugar dito pela blogueira como especial. De acordo com Juliana, Lugano está à espera dos cariocas, que não podem deixar de ir ao Monte Bré. Vão se surpreender com a vista da irmã gêmea da Baía de Guanabara. "Quando eu estive lá, tocava Garota de Ipanema. Foi uma sensação indescritível. Recomendo a todos que não deixem essa cidade fora da lista", conta. 

Já em Interlaken, próximo ao JungfraujochLink externo, que é a estação de montanha mais alta da Europa – 3454 metros -, a escritora fez o primeiro voo de parapente de sua vida. Para Juliana, outra emoção incrível, difícil de explicar. Quando questionada sobre o ponto alto da viagem ou o lugar mais bonito, a blogueira diz que não há como responder. "É tudo muito especial. Mas se for para dar uma dica mais geral, eu acredito que o meu roteiro de Zurique a Zermatt, passando por Lucerna, Interlaken e Montreux, consiga resumir o que há de melhor na Suíça", explica. No Lago de Genebra, ela nadou e experimentou o stand up paddle.

160 mil seguidores

Os leitores do blog puderam acompanhar sua aventura durantes os 15 dias. Juliana conta que um casal readaptou seu roteiro de viagem por causa da aventura da blogueira. Como ela publicava vídeos nas redes sociais e colecionava milhares de seguidores, também acompanhava as opiniões e comentários, tornando o roteiro muito interativo. Cerca de 160 mil pessoas visualizaram as fotos nas redes sociais Instagram, Facebook e Snapchat; ela teve mais de 15 mil curtidas. O blog já tem mais de 54 mil usuários por mês.

Além da comprovação de sua tese, Juliana pode confirmar o privilégio que tem de viver no país. "Em termos de turismo, é um lugar único, que propicia passeios na neve, cidades históricas, banhos em lagos, rios, trilhas nas montanhas e em florestas, além da prática de diversos esportes. Não dá para ficar entediado. Mas como moradora, só posso dizer que se trata de um local abençoado pela beleza e dotado de infraestrutura impecável e de segurança". Como contadora de estórias e andarilha, a autora diz que queria muito que os turistas saíssem do lugar comum e vivessem essa experiência. 

Perfil

Juliana Guimarães

Catarinense, 31 anos

Formação: Comunicação Social – Publicidade, pós graduação em Marketing pelo Insper-SP e em Internacionalização de Empresas pela Universidade de Barcelona

Profissão: blogueira do Eu Ando Pelo Mundo e guia de turismo

O blog foi fundado quando vivia na Itália, em 2013

Moradora de Zurique

Hobby: viajar, fotografar e escrever

Ama: verão e vida ao ar livre

Surpresa da viagem: descoberta da montanha de Ebenalp, próxima a Zurique e ainda pouco conhecida dos brasileiros

Aprendizado com a experiência: o privilégio de morar no país

Redes sociais: FacebookLink externo, InstagramLink externo, YouTubeLink externoSnapchatLink externo

Aqui termina o infobox

×