Navigation

Iniciativas anti-pesticida rumo ao fracasso nas urnas

No interior da Suíça, as iniciativas anti-pesticidas criaram um debate acirrado. Keystone / Jean-christophe Bott

A maioria dos cidadãos suíços está disposta a rejeitar as duas iniciativas populares para proibir os pesticidas, de acordo com a segunda pesquisa da SRG SSR antes da votação de 13 de junho. As leis de CO2, antiterrorismo e de gestão de crises sanitárias seriam todas aceitas.

Este conteúdo foi publicado em 02. junho 2021 - 14:00

A Suíça provavelmente não se tornará um dos primeiros países do mundo a proibir os pesticidas sintéticos em seu território.

Embora os projetos de lei ainda tivessem um avanço em meados de abril, a maioria dos cidadãos pretende agora rejeitar as duas iniciativas populares que atacam os produtos fitossanitários, mas com dispositivos bem diferentes.

A pesquisa

Para a segunda pesquisa de opinião sobre as votações federais de 13 de junho de 2021, o Instituto gfs.bern entrevistou 17.959 eleitores representativos de todas as regiões linguísticas da Suíça entre 18 e 26 de maio. A margem de erro estatístico é de +/- 2,8 pontos percentuais.

End of insertion

53% das pessoas entrevistadas pretendem rejeitar a iniciativa "Por água potável e alimentos saudáveis", de acordo com a segunda pesquisa da Sociedade Suíça de Radiodifusão e Televisão (SRG SSR) realizada em meados de maio pelo instituto gfs.bern. 

Durante a campanha, o apoio à iniciativa, que visa acabar com todos os subsídios estatais aos agricultores que não utilizam métodos de produção sustentáveis, caiu em 10 pontos percentuais. Apenas 44% dos entrevistados são agora a favor, abaixo dos 54% de um mês atrás. 3% dos entrevistados estão indecisos.

Conteúdo externo

A iniciativa popular "Por uma Suíça livre de pesticidas sintéticos" está seguindo a mesma tendência e também está perdendo apoio. No entanto, a situação é um pouco mais apertada.

51% dos entrevistados pretendem rejeitar a lei, que exige uma proibição total do uso de herbicidas, inseticidas e fungicidas sintéticos no setor agrícola suíço e para uso privado e comercial. Apenas 47% dos entrevistados eram a favor, em comparação com 54% na primeira pesquisa. Apenas 2% ainda não têm uma opinião definida.

Conteúdo externo

As iniciativas sobre pesticidas criam uma clara divisão política: os eleitores de esquerda e os dos Verdes Liberais (PVL, ecologistas de centro-direita) os apóiam, enquanto os partidários de outros partidos, assim como aqueles sem filiação partidária, se opõem a elas. 

O ceticismo sobre uma proibição de pesticidas se espalhou para a maioria dos grupos populacionais. As áreas urbanas e rurais ainda parecem profundamente divididas sobre o assunto. Entretanto, mesmo nas grandes cidades, que estão mais inclinadas a proibir essas substâncias, o "sim" para as iniciativas anti-pesticidas tem perdido terreno. Sem surpresas, uma clara rejeição das iniciativas anti-pesticidas está surgindo nas áreas rurais.

Os suíços do exterior, acadêmicos e pessoas de famílias de alta renda continuam a apoiar mais essas propostas, embora o "não" também esteja ganhando pontos.

A ideia de uma produção agrícola ecologicamente correta não é mais suficiente para convencer os eleitores. Por outro lado, o medo de colocar em perigo a agricultura suíça, que já está lutando para sobreviver, tem crescido.

Erosão do "Sim" para a Lei do CO2

Os suíços apoiam a estratégia desenvolvida pelo governo e pelo parlamento para alcançar as metas climáticas do país, embora os opositores tenham ganhado terreno no decorrer da campanha. 54% dos entrevistados agora apoiam a nova lei do CO2, em comparação com 60% na primeira pesquisa. 43% dos entrevistados são contra e 3% ainda não têm certeza do que irão colocar na cédula.

Conteúdo externo

Sem surpresas, a lei para reduzir as emissões de CO2 ainda é favorecida pelos partidos de esquerda e pelo PVL. Embora fossem a favor da lei em meados de abril, a maioria das pessoas que não são afiliadas a um partido agora se opõem a ela.

O campo do "sim" perdeu assim sua confortável liderança, apesar dos apoiadores ainda terem uma vantagem sobre os adversários. O instituto gfs.bern acredita que é difícil prever o resultado dessa votação.

Amplo apoio à lei antiterrorismo

A nova lei sobre terrorismo, que causou controvérsia além das fronteiras da Suíça, é apoiada por 62% das pessoas pesquisadas. 32% são contra e 6% estão indecisos.

Conteúdo externo

Na primeira pesquisa, a maioria dos eleitores de todos os partidos era a favor da aprovação do projeto de lei. Este não é mais o caso. Os Verdes e os Socialistas pretendem agora votar contra o projeto de lei, como recomendado por seus partidos. Os eleitores dos outros partidos continuam a dar amplo apoio à lei, mesmo que a oposição tenha crescido um pouco mais forte.

O instituto gfs.bern espera um "sim" em 13 de junho.

Rumo a um Sim à Lei Covid

Por fim, 64% dos entrevistados eram a favor da base jurídica para a gestão da crise sanitária, em comparação com 67% um mês antes. 32% pretendem votar não e 4% dos entrevistados ainda estão indecisos. O lado do sim manteve, portanto, sua liderança.

Conteúdo externo

Um amplo consenso social se desenvolveu em torno da lei Covid. A necessidade de uma lei para controlar a pandemia parece ser bastante reconhecida.

Somente os eleitores da direita conservadora e aqueles que desconfiam do governo são majoritariamente contra o projeto de lei. Esse resultado reflete as críticas do Partido Popular Suíço (SVP) contra a estratégia do governo para combater o coronavírus.

Salvo surpresas, o "sim" deve ganhar em 13 de junho.

Adaptação: Fernando Hirschy


Em conformidade com os padrões da JTI

Em conformidade com os padrões da JTI

Mostrar mais: Certificação JTI para a SWI swissinfo.ch

Os comentários do artigo foram desativados. Veja aqui uma visão geral dos debates em curso com os nossos jornalistas. Junte-se a nós!

Se quiser iniciar uma conversa sobre um tema abordado neste artigo ou se quiser comunicar erros factuais, envie-nos um e-mail para portuguese@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Modificar sua senha

Você quer realmente deletar seu perfil?