Grafite em pasto coroa os Alpes suíços

Um artista francês conhecido por seus grafites gigantescos na grama apresentou sua última obra relacionada ao coronavírus no domingo, nos Alpes suíços - uma garota olhando para o horizonte.

Este conteúdo foi publicado em 27. abril 2020 - 07:15
A obra ocupa 3.000 metros quadrados e foi produzida com tintas biodegradáveis feitas com pigmentos naturais, como carvão e giz Keystone / Valentin Flauraud

O artista Saype, cujo verdadeiro nome é Guillaume Legros, já pintou imagens temporárias e biodegradáveis em gramados e pastos de Yamoussoukro, na Costa do Marfim, ao “Champ de Mars”, ao lado da Torre Eiffel em Paris, muitas vezes retratando crianças ou gestos entre pessoas.

"Beyond crisis", seu novo trabalho realizado em uma clareira da estação de esqui de Leysin, mostra uma garota sentada, completando uma cadeia de bonequinhos de mãos dadas. "O afresco de mais de 3 mil metros quadrados evoca a construção de um mundo com mais solidariedade e mais humanidade", disse Saype em um comunicado citado pela agência de notícias Reuters.

"Há vários níveis de leitura, mas a ideia principal é lembrar ao mundo que seguirá após a crise, da importância de todos olharem na mesma direção", disse Saype à agência de notícias suíça Keystone-SDA. "Como nos meus outros trabalhos, quero transmitir uma visão otimista, uma certa ideia de viver juntos".

"Beyond Crisis" foi realizado no pasto alpino de um agricultor no desfiladeiro de Prafandaz, que tem vista para o Lago de Genebra. Saype utilizou sua tinta habitual, ou seja, um produto 100% biodegradável à base de giz e carvão vegetal. A vida útil da obra dependerá das condições climáticas e do crescimento da relva. 

"Eu estimo entre duas semanas a um mês", disse o artista.

Em 2019, Saype foi listado pela Forbes entre as 30 personalidades europeias, com menos de 30 anos, mais influentes no campo da arte e da cultura.


Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo