Navigation

Pesquisas mostram como os microplásticos poluem as águas suíças

Um lago de águas cristalinas nas montanhas suíças: porém nele já se encontram muitas partículas de plástico geradas por detritos. Keystone / Arno Balzarini

Seu biquíni é ecológico? Pesquisas revelam como os tecidos dejetam microplásticos no meio-ambiente

Este conteúdo foi publicado em 19. agosto 2020 - 09:04

Confeccionar têxteis com redes de pesca antigas e garrafas plásticas é uma forma de lidar com o lixo plástico, mas será que eles contribuem para a poluição por microplásticos? Cientistas de dois institutos suíços têm pesquisado o que acontece quando os tecidos sintéticos são lavados.

No verão passado, comprei para meu parceiro um calção de banho feitos de garrafas de plástico PET recicladas. Gostei da ideia de fazer algo novo reciclando lixo, e a ele convinha bem não ter que ir às compras.

Um ano depois, o calção ainda está em ótima forma e já vi anúncios de biquínis feitos de materiais similares. Mas o que acontecerá quando os biquínis começarem a se desgastar? Será que vão soltar microplásticos no sistema de abastecimento de água ou na cadeia alimentar?

A pesquisadora Yaping Cai do Laboratório Federal Suíço de Ciência e Tecnologia de Materiais (EMPA) se fez uma pergunta semelhante. Ela e sua equipe fizeram então muita lavanderia para descobrir como os tecidos sintéticos se comportam quando lavados.

A equipe de pesquisa não investigou especificamente as roupas de banho, mas das dezenas de amostras têxteis que eles testaram, Cai diz que uma amostra feita de fio de filamento plástico combinava muito com o tecido típico das roupas de banho, e provavelmente liberaria um número similar de fibras microplásticas (MPFs).

"Como a principal fonte de fibras (84%) são as bordas de um tecido, a liberação depende do método de corte e costura", disse Cai à swissinfo.ch. O tecido libera mais resíduos quando suas bordas são cortadas com uma tesoura, enquanto a vedação térmica das bordas com um laser ajuda a manter o tecido intacto.

Mas qualquer que seja o acabamento, as fibras escapam para a água de lavagem e para o meio ambiente. Microplásticos, dos quais estas fibras sintéticas são um exemplo, foram encontrados por toda parte: na água, no solo, nos estômagos de peixes e nos resíduos humanos. A Organização Mundial da Saúde solicitou mais pesquisas sobre os riscos dos microplásticos na água potável.

Milhares de microfibras

"Vimos com nosso experimento que o tecido de filamento corrugado liberou 261 (corte a laser) e 5.673 (corte em tesoura) fibras por grama de tecido durante a primeira lavagem". Dito de outra forma, o tecido cortado em tesoura soltou mais de 20 vezes as fibras do que o tecido cortado a laser. Como identificar a diferença? Pense nos cortes a laser ornamentados que têm estado na moda nos últimos anos; estes não têm bordas ou costuras abertas.

Entre as outras amostras de tecido, a liberação de fibras microplásticas variou de 210 MPF/g (para a sarja cortada a laser) a 72.000 MPF/g (para tecido de microfibra cortada em tesoura). Vale ressaltar que as primeiras lavagens resultaram nos mais altos números de MPF.

"Dependendo do tipo de tecido, no primeiro ciclo de lavagem foram liberados de seis a 120 vezes mais MPFs do que no décimo ciclo de lavagem". Após três a cinco ciclos de lavagem, o número de MPF liberado estabilizou em um nível mais baixo ou aumentou ligeiramente", afirma o estudoLink externo publicado na revista científica Environmental Science & TechnologyLink externo. Após o 10º ciclo de lavagem, a liberação média foi de 10 a 1.200 MPF/g.

Preocupação ambiental

Todos os anos, cerca de 14.000 toneladas de resíduos plásticos em todos os tamanhos acabam sendo lançadas no meio ambiente na Suíça. Segundo A Agência Federal do Meio Ambiente, as maiores fontes de microplásticos (partículas menores que 5 mm) são a abrasão e a decomposição dos produtos plásticos, principalmente pneus de automóveis, filmes plásticos e outros produtos utilizados na construção e na agricultura. O lixo decomposto é outra fonte.

"O percentual de microplásticos que são deliberadamente adicionados a produtos (por exemplo, esfoliantes) ou atingem águas residuais devido à abrasão das fibras durante a lavagem de tecidos sintéticos é baixa em comparação com a quantidade total que acaba no ambiente, mas leva a depósitos significativos em águas superficiais", afirma a agência em seu website.

Abrasão e desgaste

Um maiô pode liberar partículas microplásticas enquanto você está nadando em uma piscina ou em espelho d’água natural?

"Há sempre o potencial de liberação de fibras, mas os trajes de banho não são felpudos como as jaquetas de lã. Seu tecido tem uma malha densa, por isso é menos provável que soltem fibras microplásticas durante o uso", diz a professora de química ambiental Denise M. Mitrano, que contribuiu para o estudo de Cai enquanto trabalhava no Instituto Federal Suíço de Ciência e Tecnologia Aquática (EAWAG). Ela aponta que a vida útil de um traje de banho é outra coisa a ser considerada.

"Quando as pessoas me perguntam qual é o melhor tecido, eu digo que a redução do consumo é realmente o que importa, já que, em primeiro lugar, existem outros impactos ambientais da produção do traje. Comprar menos e usar as coisas por mais tempo, é isso que fará a maior diferença na qualidade da água", disse Mitrano, agora professora no Instituto Federal de Tecnologia ETH de Zurique, à swissinfo.ch.

Cortes finos

Em seu estudo, Cai, Mitrano e seus colegas observaram que os fabricantes de têxteis podem desempenhar um papel na redução da poluição por microplásticos.

"Como nosso estudo mostrou que a maioria dos MPF liberados durante a lavagem provavelmente tem origem nas bordas, ao contrário da superfície do tecido, a adoção de técnicas de corte mais limpas é importante para que a indústria ajude a reduzir a liberação de MPF", afirma o estudo. "Além disso, uma pré-lavagem de peças de vestuário sob medida na fábrica poderia efetivamente coletar uma grande parte das MPFs geradas durante a produção".

Em outro aspecto de seu trabalho, Mitrano e Cai descobriram que as estações de tratamento de águas e esgotos poderiam remover mais de 95% dos MPFs. Os legisladores franceses decidiram que a partir de 2025, as novas máquinas de lavar vendidas na França devem vir equipadas com filtros capazes de impedir que os MPFs entrem nas águas residuais durante a lavagem.

Então, as modas criadas com resíduos plásticos são uma grande ideia ou apenas uma fachada ecológica?

"Não é necessariamente o caminho para se limpar o lixo plástico, mas também não é necessariamente uma coisa negativa", diz Mitrano, citando a popularidade dos sapatos atléticos feitos de lixo plástico encontrados nas praias. "Claro que isso é ótimo, mas não vai resolver o problema [da poluição]".

(Com contribuições de Céline Stegmüller)

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.