Taxa de rádio e televisão irá para plebiscito em março de 2018

A taxa de rádio e televisão é obrigatória para todos os lares na Suíça. Keystone

Os eleitores na Suíça poderão votar em 4 de março de 2018 a proposta de lei que pretende acabar com a taxa obrigatória de rádio e televisão, que financia a Sociedade Suíça de Radiodifusão e Televisão (SRG SSR), da qual a swissinfo.ch faz parte.

Este conteúdo foi publicado em 18. outubro 2017 - 13:12
swissinfo.ch com agências

No mesmo dia, os eleitores também poderão votar também a proposta de ampliar o direito do governo de aumentar o imposto sobre circulação de mercadorias e o imposto federal único até 2035, como informou hoje a Chancelaria Federal.

Será a primeira rodada de plebiscitos das quatro programadas para ocorrer no ano que vem.

Papel da SRG

A iniciativa popular (n.r.: uma proposta de mudança constitucional levada à plebiscito), também denominada "No Billag, pede a abolição da taxa anual de rádio e televisão de 452 francos suíços (US$ 461). Seus organizadores conseguiram coletar o número mínimo de assinaturas de eleitores para levá-la à plebiscito. O governo e o Parlamento federal recomendaram a rejeição da proposta.

Seus defensores argumentam que a SRG se tornou excessivamente dominante no mercado e uma barreira contra os operadores das mídias privadas.

Mais de 73% do orçamento da SRG vêm da taxa de rádio e televisão, que também apoia a mídia privada no país. A SRG alerta que seus serviços nos quatro idiomas nacionais (alemão, francês, italiano e reto-romano) são importantes para a coesão nacional

A ministra suíça da Comunicação, Doris Leuthard, lançou uma proposta de reduzir a taxa de rádio e televisão para 365 francos ao ano a partir do início de 2019. 

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo