Maioria dos restaurantes está aberta, mas 90% com prejuízos

Mais de dois terços dos restaurantes reabriram desde 11 de maio, mas muitos estão lutando para sobreviver com as medidas sanitárias.

Este conteúdo foi publicado em 25. maio 2020 - 16:07
Cerca de 40% dos estabelecimentos pesquisados não têm certeza de poderem permanecer abertos nas condições atuais Keystone / Laurent Gillieron

"Cerca de nove em cada dez estabelecimentos reabertos esperam ter prejuízos", diz Casimir Platzer, presidente da GastroSuisse, a federação do setor da gastronomia.

"Na primeira semana após a primeira fase da reabertura, as vendas foram em média 60% inferiores aos números do ano passado".

Isso se baseia em cerca de 3.100 respostas a uma pesquisa online realizada pela GastroSuisse de 11 a 18 de maio de 2020.

Os restaurantes foram autorizados a reabrir em 11 de maio sob condições rígidas para evitar a disseminação da Covid-19. GastroSuisse argumenta que algumas medidas são rígidas demais para os restaurantes conseguirem gerar algum lucro.

Cerca de 40% dos estabelecimentos pesquisados não têm certeza de que possam permanecer abertos sob as atuais condições. Platzer suspeita que muitos terão que fechar novamente em junho porque não é economicamente viável ficar aberto.

O espaçamento mínimo entre as mesas, bem como o grupo de 4 pessoas no máximo, fez com que alguns estabelecimentos reduzissem o número de assentos em 35% a 65%, de acordo com a pesquisa.

A federação aponta que muitos restaurantes também tiveram que cobrir os custos adicionais de implementação de medidas de proteção como paredes em acrílico e máscaras.

Segundo a pesquisa, a maioria dos estabelecimentos reabriu para agradar a clientela, o público em geral e funcionários. Cerca de um terço reabriu para recuperar as perdas sofridas durante o fechamento ou para manter a participação no mercado.

As razões para a não abertura variaram, com alguns estabelecimentos citando a incapacidade de ser rentável com as medidas rígidas de proteção.


Seguindo as regras

Os restaurantes parecem estar aderindo às diretrizes de saúde pública. Segundo a GastroSuisse, cerca de 90% das empresas inspecionadas implementaram o conceito de segurança de acordo com as diretrizes governamentais.

Em apenas dois casos, ou menos de 1% das inspeções, os restaurantes foram sancionados por descumprimento.

De acordo com o jornal suíço Le Matin Dimanche, mais de 2.000 inspeções foram realizadas em restaurantes na região oeste do país. O chefe da polícia do cantão de Vaud informou que a maioria dos restaurantes está cumprindo as diretrizes.



Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo