Navigation

EUA mantêm tentativa de cessar-fogo em Gaza

Palestino observa os escombros de sua casa, destruída em um bombardeio israelense contra a Faixa de Gaza afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 15. julho 2014 - 21:27
(AFP)

Os Estados Unidos seguem decididos a encontrar uma solução para o fim das hostilidades entre israelenses e palestinos, apesar da retomada dos bombardeios por parte de Israel contra a Faixa de Gaza, depois de uma breve trégua recusada pelo Hamas.

O secretário de Estado, John Kerry, disse estar preparado para voltar imediatamente à região, caso isso possa ajudar as partes a firmar um cessar-fogo. O atual conflito já dura oito dias, com cerca de 200 mortos palestinos e um israelense.

"O secretário Kerry continuará comprometido com todas as partes", garantiu a porta-voz do departamento, Jen Psaki, durante coletiva de imprensa nesta terça-feira. "Temos que lembrar o que está em jogo aqui: continuamos trabalhando por um cessar-fogo", explicou.

Israel, que retomou os bombardeios nesta terça, anunciou que vai intensificar os ataques, depois do anúncio da morte de um civil israelense atingido por um foguete perto da passagem de Erez, na fronteira com Gaza.

A porta-voz advertiu Tel Aviv para qualquer ofensiva terrestre em Gaza, e ressaltou que Kerry vai utilizar "todas as ferramentas ao seu alcance para conseguir uma trégua".

O Hamas recusou qualquer cessar-fogo que não inclua um acordo completo sobre o conflito na Faixa de Gaza.

O grupo palestino exige o fim dos bombardeios e do bloqueio a Gaza, a abertura do posto fronteiriço de Rafah com o Egito e a libertação de presos que voltaram a ser detidos depois de sua libertação em virtude de um acordo de troca por um soldado israelense em 2011.

Kerry foi o principal articulador da última tentativa de negociação entre israelenses e palestinos, que durou nove meses e terminou em abril, sem resultados.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Modificar sua senha

Você quer realmente deletar seu perfil?