Navigation

Google anuncia lançamento de serviço de jogos por streaming

(Arquivo) O novo serviço de videogames por streaming da empresa será lançado em novembro em 14 países, com mais de 30 jogos afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 07. junho 2019 - 12:39
(AFP)

A Google apresentou nesta quinta-feira os detalhes do Stadia, novo serviço de videogames por streaming da empresa, que será lançado em novembro em 14 países com mais de trinta jogos.

Através dessa plataforma, a empresa americana entra de vez no universo dos jogos armazenados na nuvem.

Para ter acesso, o interessado terá que adquirir "Founders Edition", que custa US$ 129, equivalente a R$ 500, que inclui uma assinatura de três meses, um aparelho Chromecast Ultra, que permite conectar-se a uma televisão e um controle, informou a empresa.

Num segundo momento, haverá duas outras assinaturas do Stadia disponíveis: uma por 9,99 dólares ao mês chamada "Stadia Pro", e uma oferta de base que començará em 2020 e sobre a qual nada mais foi informado.

Nesta primeira etapa, o Stadia estará disponível em 14 países: Estados Unidos, Canadá, Bélgica, Finlândia, Dinamarca, França, Alemanha, Irlanda, Itália, Holanda, Noruega, Espanha, Suécia e Reino Unido.

Entre os primeiros jogos disponíveis estarão os sucessos como Destiny 2 y Assassin's Creed Odyssey, do estúdio francês Ubisoft.

O Google está na vanguarda dos videogames por streaming, que permite acessar os jogos sem a necessidade de ter um console ou algum tipo de aplicativo. O conteúdo fica armazenado em servidores remotos (a chamada "nuvem"), e o usuário acessa através de vários suportes (smartphone, tablet, etc...).

A Apple também pretende investir nesse setor com a plataforma Arcade, que deve estar disponível no fim deste ano.

No mês passado, a Sony e Microsoft anunciaram uma aliança no setor dos videogames para enfrentar a Google.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.