Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

A ex-secretária de Estado americana Hillary Clinton

(afp_tickers)

A ex-secretária de Estado americana Hillary Clinton evitou uma série de perguntas sobre uma eventual candidatura à presidência, mas, em tom de brincadeira, abriu um pouco mais as portas para uma possível disputa pela presidência americana.

Com gestos e piscadas de olho, a ela entrou na brincadeira do apresentador de televisão Jon Stewart, que se esforçou para fazer Hillary anunciar a candidatura - uma novidade que havia prometido aos telespectadores na abertura de seu talk-show.

Mas Hillary Clinton evitou as pegadinhas.

"Eu iria fazer um anúncio, mas você meio que estragou tudo para mim", brincou, o que provocou os aplausos e risadas da audiência do "Daily Show", na terça-feira à noite.

"Eu tenho que reconsiderar o local onde farei", completou.

Durante a entrevista, ela evitou com sucesso as 'armadilhas' apresentadas pelo entrevistador, que pretendia obter a declaração de candidatura da ex-primeira-dama.

Entre as brincadeiras estava um "teste vocacional" administrado por Stewart, com o objetivo de determinar "se você realmente deseja o cargo".

Na primeira pergunta, Stewart questionou se a ex-primeira-dama prefere viajar ou trabalhar em casa.

"Passei tantos anos viajando que prefiro um escritório em casa. Isto funciona", respondeu Hillary.

"Você tem um formato preferido para o escritório? Gostaria que tivesse cantos? Gostaria que não tivesse cantos?", perguntou Stewart, em uma clara referência ao famoso Salão Oval, onde os presidentes passam grande parte do dia na Casa Branca.

"Você sabe, eu penso que o mundo é tão complicado que quanto menos cantos você tiver, melhor", respondeu a democrata, recebendo aplausos da plateia.

Stewart também questionou se ela desfruta as críticas constantes, permanentes que o ocupante da Casa Branca recebe.

"Desfrutar provavelmente é a palavra errada. Espere. Sobreviva. Supere", disse Hillary Clinton com um sorriso.

"Isto vem com o território", completou.

Falando ao canal indiano NDTV, o ex-presidente dos Estados Unidos Bill Clinton afirmou nesta quarta-feira que não tentará influenciar a esposa Hillary na decisão de disputar ou não a candidatura democrata à Casa Branca.

"Eu já deixei claro para ela que eu amo nossa vida e que se ela decidir não concorrer, eu vou ficar muito feliz e nós vamos construir esta fundação (de caridade) juntos", disse Clinton

"Ela terá que tomar a decisão e eu não vou tentar influenciar", disse o ex-presidente americano.

"O que ela decidir eu vou vou apoiar", completou Clinton, que afirmou considerar a esposa a "pessoa mais capacitada" que conheceu na vida pública.

Bill Clinton, presidente entre 1993 e 2001, iniciou na Índia uma viagem à região Ásia-Pacífico para promover sua fundação de caridade.

Hillary Clinton, de 66 anos, perdeu para Obama em 2008 a disputa pela candidatura democrata à presidência dos Estados Unidos.

AFP