Navigation

TikTok, a estrela digital chinesa mais desejada

(Arquivo) Logo do TikTok afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 05. agosto 2020 - 14:28
(AFP)

Com a ameaça de proibir o TikTok nos Estados Unidos, o presidente Donald Trump abre uma nova frente na rivalidade tecnológica com a China, na qual os aplicativos inovadores agora têm ambições globais.

A China controla a internet de perto e bloqueia os sites considerados politicamente sensíveis. Apelidado de "Grande muralha informática", esse sistema permitiu à China lançar sucessos digitais na ausência de concorrentes internacionais (Google, Facebook, Twitter), em grande parte bloqueados.

- TikTok, 2 bilhões de downloads -

Músicas, desafios e cenas de humor: o aplicativo de vídeos curtos conquistou os adolescentes do mundo inteiro.

Em abril, o TikTok superou os 2 bilhões de downloads, em pleno confinamento pela pandemia, segundo a empresa Sensor Tower, que mede a popularidade dos aplicativos.

TikTok é a versão internacional do aplicativo Douyin (em mandarim), destinado ao mercado chinês.

Ambos pertencem à empresa ByteDance, fundada em Pequim em 2012 pelo engenheiro de computação Zhang Yiming. Aos trinta anos, esteve entre as 20 grandes fortunas de China em 2019 (avaliada em US$ 13,5 bilhões, segundo o ranking do Hurun).

- WeChat, o WhatsApp chinês -

É um aplicativo de mensagem instantânea lançado em 2011, que inicialmente tinha funções semelhantes às do americano WhatsApp (envio de mensagens, fotos e vídeos). WeChat foi o primeiro a propor a função de mensagens de áudio, o que o tornou muito popular na China.

Depois, outros serviços foram incorporados ao aplicativo: pagamento por telefone, serviço de notícias, reservas de hotéis ou viagens, videogames e finanças online.

WeChat tem pelo menos 1,2 bilhão de usuários ativos. São majoritariamente chineses, embora o aplicativo funcione em 20 idiomas. Seu dono é Tencent, um dos gigantes digitais chineses e o líder indiscutível em videogames para smartphones.

- SHAREit, compartilhar sem limites -

Filmes, fotos, música e até documentos de texto. SHAREit é um aplicativo de conteúdos compartilhados que aceita todo tipo e tamanho de arquivos.

Permite compartilhar rapidamente arquivos pesados em qualquer tipo de dispositivo (smartphones, computadores ou tablets) sem precisar conectar à internet e conservando a qualidade original.

A principal vantagem do aplicativo é a confidencialidade das trocas, que à princípio não podem ser interceptadas por um terceiro.

- Meitu refaz a foto -

Embelezar uma foto antes de compartilhar nas redes sociais.

Meitu ("Linda imagem" em chinês) propõe uma verdadeira "maquiagem virtual" para melhorar a imagem: apaga rugas e imperfeições.

Meitu, que originalmente criou um software de edição de fotos para PC, lançou em 2013 seu primeiro aplicativo de selfies, atualmente um dos mais populares na China, onde a edição de fotos é um verdadeiro esporte nacional.

O aplicativo diz ter mais de 720 milhões de usuários fora da China.

- VivaVideo -

Adicionar texto, sobrepor imagens ou efeitos especiais, fazer diversas montagens: o VivaVideo permite fazer vídeos de qualidade profissional no smartphone de maneira simples.

O aplicativo conta com mais de 800 milhões de downloads, segundo os proprietários do QuVideo.

- Zynn -

Lançado em maio, Zynn pretende ser a sombra do TikTok, pagando a seus usuários para assistir vídeos. Tornou-se rapidamente um dos aplicativos mais baixados nos Estados Unidos, o único país onde está disponível, junto ao Canadá.

Após um litígio por direitos autorais, o Zynn foi retirado temporariamente das lojas de aplicativos Google Play e AppStore.

O aplicativo voltou às plataformas, mas não recompensa mais seus usuários com pontos.

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.