Navigation

Doula suíça inventa colchão que ajuda no parto

Anna von Siebenthal mostra como utilizar o colchão Vibwife, que reproduz movimentos que podem ajudar a facilitar o trabalho de parto. Vibwife

A jovem doula Anna von Siebenthal estava frustrada por não ter tempo suficiente para ficar com as mulheres em trabalho de parto. Inspirada por uma emergência da vida real, ela desenvolveu um colchão especial para partos baseado na tecnologia de movimentação, que em breve será produzido pelo maior fabricante europeu de camas hospitalares. 

Este conteúdo foi publicado em 28. dezembro 2020 - 11:00

“Quando eu trabalhava como estudante de obstetrícia em um hospital, transferimos uma mulher de um parto domiciliar”, conta Anna. “Ela estava totalmente dilatada mas o bebê não estava saindo. Para ir de casa para o hospital, ela teve que ser transportada para uma ambulância e ficou sacudindo dentro do veículo durante a viagem”.  

Quando a futura mamãe chegou ao hospital, o bebê havia descido e nasceu poucos minutos depois. “Lembro-me de ter pensado: se pudéssemos fazer aquele movimento de balanço agradável da ambulância dentro da sala...” 

Essa foi a gênese do colchão Vibwife, um projeto que cabe em camas de parto e replica movimentos que vêm sendo praticados em diferentes culturas há gerações para facilitar o trabalho de parto. Anna começou a pesquisar a ideia em 2014 e fundou uma empresa com seu sócio, o engenheiro de sistemas Tobias von Siebenthal, no ano seguinte, enquanto ainda trabalhava meio período como doula. 

A Suíça tem uma das taxas de cesarianas mais altas da Europa,Link externo com 32%, o que é uma preocupação porque o parto do ti cesárea gera um risco maior para mães e bebês. 

“Há evidências que mostram que se você apoiar a mulher e mantê-la em pé e em movimento, ela terá menos complicações e terá uma chance melhor de evitar a cascata de problemas que leva a uma cesariana não planejada”, diz Anna. “Mas muitas vezes não há tempo para fornecer esse nível de atendimento.” 

Movimentos naturais 

Assim que Anna teve a ideia, ela quis verificar se era original. Isso significava fazer uma visita ao escritório de patentes suíço (Instituto Federal Suíço de Propriedade Intelectual) e passar o dia inteiro pesquisando. 

“A coisa mais próxima que encontramos foi uma patente do Japão da década de 1960, no projeto amarrariam a mulher a uma mesa cirúrgica redonda e a girariam. A ideia era que a força centrífuga faria o bebê sair. Felizmente, nunca foi feito de fato. ” 

Os movimentos que Anna tinha em mente para o colchão de parto eram muito mais naturais. “São movimentos que eu faria manualmente como parteira na pelve da mulher, ou a encorajaria a fazer ela mesma, se pudesse. Coisas como o movimento em forma de oito que você obtém ao subir ou descer escadas. Ou balançando de um lado para o outro. Colocaríamos um lençol sob a mulher e, junto com uma segunda pessoa, balançaríamos a pélvis. ” 

Anna se juntou a um programa de start-ups em Zurique para ideias lideradas por mulheres chamado Aspire, onde ela diz que tinha “o melhor mentor que poderíamos esperar” e estava conectada com o Switzerland Innovation ParkLink externo , uma rede de centros de desenvolvimento de negócios. 

Michael Sauter no Innovation Park, que já havia desenvolvido um colchão anti-pressão médico, ajudou Anna e Tobias a obter financiamento para produzir um protótipo com engenheiros de sua organização e da Universidade de Ciências Aplicadas de Berna. Em 2015, a Vibwife se tornou uma empresa limitada. 

Crescendo 

A Vibwife encomendou algumas versões do protótipo até que seu dispositivo médico obtivesse a marca CE, que demonstra conformidade com os padrões de saúde, segurança e proteção ambiental para produtos vendidos na Área Econômica Europeia. 

A próxima etapa foi um estudo clínicoLink externo desenvolvido pelo University Hospital Basel. O estudo concluiu que o colchão Vibwife “pode ser um complemento interessante e potencialmente benéfico para a prática obstétrica”. No geral, as mulheres e parteiras que participaram do estudo avaliaram sua satisfação com o produto como “excelente”. 

Treze colchões Vibwife estão agora em uso em cinco hospitais: três na Suíça, um na Alemanha e um na Áustria. 

Anna diz que a estratégia era começar pequeno e fazer melhorias antes de expandir. 

“Fomos a alguns congressos, escrevemos um artigo em uma revista de parteiras e alguns hospitais nos contataram muito interessados”, diz ela. “Queríamos apenas ter um número limitado de hospitais inovadores para esta fase porque queríamos aprender o que precisa ser melhorado em pequena escala antes de iniciarmos a produção.” 

Entrando no mercado global 

No ano passado, a Vibwife se associou ao maior fabricante europeu de camas hospitalares LINET Group, que opera na República Tcheca. “Com o nosso parceiro estamos nos preparando para a industrialização do aparelho, para tornar o colchão de parto escalável. O próximo passo é entrar no mercado mundial. ” 

Em seus anos como parteira, Anna observou que faltam de inovaçõs para o parto e a saúde materna. Como há tão pouca pesquisa sobre essa população vulnerável, muitos medicamentos são usados off-label. 

Com medicamentos usados durante o parto, “trabalhamos em zonas cinzentas e não é um bom lugar para estar. É por isso que os médicos-chefes que veem nosso produto estão tão entusiasmados, porque finalmente há algo novo para o bem-estar da mulher e o mecanismo do parto, não apenas outro medicamento para eles testarem ”. 

Anna agora está esperando seu primeiro filho e está muito animada por ter a oportunidade de testar sua inovação durante o parto.

Adaptação: Clarissa Levy

Partilhar este artigo