Democracia direta põe cidadãos no comando de caças aéreos

Sem o consentimento dos eleitores, não haverá novos aviões para os pilotos da força aérea suíça. © Keystone / Jean-christophe Bott

A Suíça é o único país do mundo onde os cidadãos opinam sobre as decisões militares. O que é surpreendente é que as 24 votações sobre segurança nacional desde 1977 serviram mais para fortalecer do que enfraquecer o exército.

Este conteúdo foi publicado em 04. setembro 2020 - 11:45

Em 27 de setembro, os eleitores decidirão sobre um pacote de crédito de 6 bilhões de francos suíços (US$ 6,64 bilhões) para a compra de novos caças para o exército.  

Independentemente do tipo de avião que acabe policiando os céus suíços, a votação simboliza mais do que qualquer coisa a democratização da política de segurança da Suíça nas últimas décadas.

No total, ocorreram 24 plebiscitos em questões militares desde 1977, com os resultados mais frequentemente refletindo a clássica divisão política: apoiadores de partidos de centro-direita votam a favor do exército, seguidores dos partidos verdes e de esquerda votam contra.

Graças ao sistema de referendos (que põe em questão as leis propostas) e às iniciativas populares (para sugeri-las), é quase impossível para o exército dar um passo importante, como comprar novos caças, sem antes obter o consentimento do povo.

Interesse público?

Esse desenvolvimento em particular começou em 1993 com a iniciativa contra a compra de 34 F/A-18 lançada pela esquerda e foi visto pela última vez em 2014, quando a compra de novos caças Gripen foi rejeitada pelos eleitores. A participação em ambas votações foi superior a 44%.

“Essa participação foi uma das mais altas dos últimos 50 anos”, disse Diane Porcellana, chefe da divisão de política de segurança do Année Politique Suisse, um programa de pesquisa da Universidade de Berna dedicado ao desenvolvimento democrático da Suíça.

“Esses dois referendos mostraram um grande interesse do público em se pronunciar sobre a questão da compra de novos caças. Por isso, seria complicado não deixar que o povo decida se esses aviões devem ser comprados ou não”, diz a cientista política.

Seis anos atrás, os suíços rejeitaram a compra dos caças suecos Gripen . “A análise da VOX sobre a rejeição do Gripen revelou que o custo e o tipo de avião foram fundamentais para determinar o resultado da votação”, diz Porcellana . Desta vez, porém, os eleitores serão consultados apenas sobre os CHF 6 bilhões necessários para a licitação. Se eles disserem que sim, caberá aos especialistas decidir qual modelo comprar.

Porcellana acha que essa abordagem traz oportunidades e riscos. Não dar voz aos cidadãos sobre o tipo de avião pode sair pela culatra e aumentar o risco de rejeição da iniciativa, avalia ela. Por outro lado, alguns podem ficar aliviados quando os especialistas decidem que tipo de avião comprar.

Votos sobre o exército desde 1848 

Desde 1848, os eleitores suíços decidiram 45 vezes sobre o futuro do exército - quase 7% do total de 630 iniciativas que chegaram às urnas.

“Até a votação sobre as armas nucleares começar no início dos anos 1960, as votações eram principalmente sobre questões constitucionais ou jurídicas fundamentais, a maioria das quais era favorável ao exército”, diz Jaun .

Os plebiscitos sobre questões militares começaram a se tornar mais populares no final dos anos 1970. Na década de 1980, grupos de esquerda e pacifistas contra o exército lançaram várias iniciativas populares.

A iniciativa Rothenturm em 1987 e a iniciativa de abolir o exército em 1989 lançaram as bases para a democratização da política de segurança da Suíça.

End of insertion

Ou interesse do governo?

Quanto à explosão geral de votações sobre o exército nos últimos 40 anos, Marc Bühlmann , chefe do Année Politique Suisse, diz que “não era realmente do interesse das autoridades democratizar a política externa e de segurança”. Segundo ele, muita intromissão dos eleitores em áreas essenciais da competência do governo federal pode levar a situações difíceis.

Rudolf Jaun, historiador militar, tem uma opinião diferente. “A democracia suíça cobre todas as áreas políticas; portanto, acho que a participação das pessoas é desejada”, insiste o ex-professor de história da Universidade de Zurique.

Resultados anteriores mostram que, mesmo quando os eleitores têm mais voz nas questões militares, não há motivo para o exército se preocupar. Apenas quatro iniciativas saíram contra os interesses do governo e do parlamento, diz Bühlmann :

  • A iniciativa Gripen de 2014
  • A aceitação da iniciativa Rothenthurm de 1987, que pôs em questão o plano do governo de construir um campo de treinamento do exército em áreas úmidas
  • A rejeição da oferta da Suíça de participar das missões dos Capacetes Azuis das Nações Unidas em 1994
  • A rejeição de um decreto federal para abolir a responsabilidade cantonal pela compra de equipamentos pessoais para os militares, em 1996

Votação histórica

Bühlmann está convencido de que a iniciativa de 1989 do Grupo por uma Suíça sem Exército ( GSsA ) de abolir os militares desempenhou um papel importante no processo de democratização .  

“Embora apenas 35,6% tenham votado a favor dessa iniciativa, ela desencadeou muitas reformas e, portanto, fez uma grande diferença”, diz Bühlmann , também professor de ciência política da Universidade de Berna.

Jaun também está convencido de que a iniciativa teve um impacto. “Embora os suíços fossem claramente contra a abolição do exército, a campanha às vezes carnavalesca do GSsA quebrou alguns tabus. O futuro do exército foi finalmente posto em questão”.

Jaun se refere ao caráter da iniciativa como uma ode à paz no final da Guerra Fria. No entanto, ele acredita que a mudança no sentido de que os cidadãos tenham mais voz na política de segurança realmente começou em 1987 com a surpreendente aceitação da iniciativa Rothenthurm e a rejeição de outra iniciativa solicitando o direito de referendo sobre os gastos militares.

Uma jovem participante da manifestação "Parem o Exército" em Berna, outubro de 1989. Keystone / Str

Jaun acredita que as duas votações marcaram o início de uma batalha fundamental para o exército suíço.

“Foi quando começou a campanha populista de esquerda contra o exército; eles queriam aboli-lo ou lentamente matá-lo de fome. Este movimento foi ou poderia ser interpretado como perigoso porque ele minou contas do governo e decisões parlamentares.”

A essência da democracia

No entanto, o GSsA não conseguiu repetir o 'sucesso' de 1989. Em 1993, os suíços rejeitaram sua iniciativa de impedir a compra de caças F/A-18 e, em 2001, recusaram uma segunda tentativa de abolir o exército.

Mas, apesar desses reveses nas votações populares, o GSsA desempenhou um papel importante em tornar a Suíça o único país onde as pessoas têm voz ativa na política de segurança. A vaca sagrada do exército não foi abatida em 1989 - mas perdeu os chifres.

Apesar disso, o apoio público ao exército aumentou, diz Bühlmann, referindo-se aos estudos anuais de segurança realizados pelo Instituto Federal de Tecnologia ETH Zürich.

Embora o poder de decisão dos suíços tenha sido um incômodo para o governo, o parlamento e as autoridades, as iniciativas às vezes irritantes também contribuem para uma maior confiança, satisfação, segurança e estabilidade a longo prazo.

Partilhar este artigo