Navigation

Suíços adotam alimentação à base de insetos

Novas leis alimentares na Suíça permitem agora a venda de larvas da farinha, grilos e gafanhotos para consumo privado e em restaurantes. (Julie Hunt/SRF)

Este conteúdo foi publicado em 01. maio 2017 - 13:30

As mudanças nas leis de segurança alimentar que harmonizam a Suíça com a União Europeia entraram em vigor em 1° de maio. Até então, estes insetos só podiam ser vendidos como alimento para animais de estimação.

Um relatório das Nações Unidas de 2013 que avalia o uso de insetos como alimento para os seres humanos pode ter influenciado o governo suíço a mudar a lei. A ONU acredita que os insetos devem ser explorados como uma importante fonte de alimento no futuro.

Insetos fazem parte de dietas tradicionais de cerca de dois bilhões de pessoas, principalmente na África, Ásia e América Latina. Estudos mostram que eles contêm significativamente menos gorduras saturadas e mais proteínas do que a carne e podem ser produzidos de forma mais sustentável.

swissinfo.ch visitou a empresa Essento, que fornece almôndegas e hambúrgueres de insetos a uma das maiores redes de supermercados da Suíça, a Coop, para descobrir se comer insetos é mais do que apenas uma moda passageira.


Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.