Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Ladrões armados roubam quadros em Zurique

Quadro a óleo de Edgar Degas: "Ludovic Lepic e suas filhas"

((شرطة زيورخ))

Um assalto à mão armada ocorreu na tarde de domingo em Zurique. Foram roubados quadros famosos no valor total de 180 milhões de francos suíços pertencentes à coleção Emil Georg Bührle.

Segundo a polícia de Zurique, os ladrões levaram quatro quadros de Cézanne, Degas, Van Gogh e Monet.

O assalto é um dos mais maiores já ocorridos na Suíça. O valor das obras roubadas é estimado em 180 milhões de francos suíços, de acordo com a avaliação inicial da polícia e comunicado durante uma coletiva à imprensa na segunda-feira.

O assato ocorreu em Zurique e as obras pertencem à coleção Bührle. Reunida pelo industrial suíço Emil George Bührle (1890-1965), essa coleção tem um grande número de quadros europeus, especialmente do impressionismo e neo-impressionismo

Assalto à mão armada

Segundo a polícia, três homens mascarados entraram no prédio da fundação um pouco antes das 16:30 hs de domingo. Um deles ameaçou com uma arma as pessoas que estavam na entrada do prédio, forçando-as a deitar no chão.

Os dois outros ladrões entraram no térreo e roubaram quatro pinturas, dentre as mais representativas da coleção Bührle. São eles: "Rapaz de colete vermelho" (1888-1890) de Paul Cézanne, "Amendoeira em flor" (1890) de Vincent Van Gogh, "Campo de papoulas perto de Vétheuil" (1879) de Claude Monet e "Conde Lepic e suas filhas" (1871), de Edgar Degas.

A polícia prometeu uma recompensa de 100 mil francos suíços a qualquer pessoa que forneça informações úteis para prender os assaltantes.

Assaltos à mão armada ainda são relativamente raros na Suíça.

Roubos repetidos

A notícia do assalto surpreendeu, até porque quatro dias antes haviam sido roubadas duas obras de Picasso no centro cultural de Pfäffikon, às margens do lago de Zurique.

A polícia ainda não tem pistas das obras de Picasso («Tête de cheval» (1962) e «Verre et pichet» (1944)), avaliadas em 4,8 milhões de francos suíços. Por enquanto não há nenhuma prova de que o roubo tenha uma ligação com o assalto de domingo.

O roubo das quatro telas da coleção Bührle é um dos maiores ocorridos até agora na Suíça. Em 1994, sete telas de Picasso haviam sido roubadas da Galeria Bollag, também em Zurique. Na época, elas foram avaliadas em 44 milhões de dólares, mas os ladrões foram presos.

swissinfo com agências

Breves

O assalto ocorrido em Zurique é o maior roubo de arte ocorrido até agora na Suíça. As quatro obras roubadas são avaliadas em 180 milhões de francos suíços. Os assaltos à mão armada são relativamente raros na Suíça, principalmente envolvendo roubo de obras de arte.

Em 1989, 21 telas da renascentistas foram roubadas de uma galeria em Zurique.

Em 1991, duas obras de Picasso - avaliadas em 61 milhões de francos suíços - foram roubadas em Zurique. Três anos depois, em 1994, outras sete obras de Picasso, estimadas em mais de 50 milhões de francos, também foram roubadas. Em ambos os casos, os ladrões foram presos.

Aqui termina o infobox


Links

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.