Navigation

Covid-19 aumenta escassez mundial de cilindros de oxigênio, segundo a ONU

Funcionário da empresa Criogas transfere cilindros de oxigênio em El Callado, Peru, em 4 de fevereiro de 2021 afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 25. fevereiro 2021 - 17:43
(AFP)

A pandemia de coronavírus deixou sem fôlego o já limitado estoque de oxigênio médico e a ONU estima que são necessários US$ 1,6 bilhão para enfrentar a emergência.

A covid-19 exerceu uma enorme pressão sobre os sistemas de saúde de todo o mundo, principalmente nos países mais pobres, onde muitos hospitais enfrentam a escassez de oxigênio.

Essa carência provocou várias mortes evitáveis e obrigou as famílias dos pacientes hospitalizados a pagar mais para garantir o acesso ao oxigênio.

O ACT Accelerator, um grupo de busca mundial de vacinas, diagnósticos e tratamentos da covid-19 liderado pela Organização Mundial da Saúde, disse nesta quinta-feira (25) que vai lançar um grupo de trabalho de emergência para buscar soluções.

"Essa é uma emergência mundial que precisa de uma resposta verdadeiramente global", afirmou Philippe Duneton, diretor da agência sanitária internacional Unitaid, que lidera o pilar terapêutico do ACT.

No grupo de trabalho participarão a OMS, Unicef, o Banco Mundial e Save the Children.

O fornecimento mundial de oxigênio já era limitado antes da pandemia para tratar doenças como a pneumonia, que deixa 2,5 milhões mortes todo ano.

Partilhar este artigo

Modificar sua senha

Você quer realmente deletar seu perfil?