Navigation

Justiça anula decisão que obrigava Bolsonaro a usar máscara e a classifica como 'desnecessária'

(Arquivo) Justiça anula como 'desnecessária' decisão que obrigava Bolsonaro a usar máscara afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 30. junho 2020 - 23:34
(AFP)

Uma juíza anulou nesta terça-feira (30) a decisão que obrigava o presidente Jair Bolsonaro a usar máscara em locais públicos em Brasília como prevenção contra o coronavírus, por considerar a medida desnecessária, pois seu uso já é obrigatório.

A magistrada de segunda instância, Daniele Maranhão Costa, aceitou a apelação apresentada na sexta-feira por Bolsonaro através da Advocacia Geral da União (AGU).

Maranhão Costa não comentou se o presidente deveria usar máscara ou não.

O presidente não pediu, em sua apelação, para deixar de usá-la, mas que fosse tratado como qualquer outro cidadão do Distrito Federal (DF), onde o uso da máscara é obrigatório, sob pena de multa de 2.000 reais.

"A existência da norma que força o uso da máscara de proteção no distrito eleitoral do Distrito Federal (...) elimina a necessidade de intervenção do Judiciário para reconhecer a mesma obrigação, que já está estabelecida na norma", escreveu a magistrada no texto, ao qual a AFP teve acesso.

Desde o início da crise, o presidente, cético em relação à pandemia em uma campanha aberta contra as medidas de quarentena adotadas pelos estados, permanece sem máscara na maioria de suas aparições públicas, apesar da obrigação de usá-la.

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.