Navigation

Pentágono anuncia US$ 3,6 bi para muro na fronteira com México

Vista do muro na fronteira entre México e Estados Unidos na altura de Tijuana, na Baixa Califórnia, no dia 18 de junho de 2019. afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 03. setembro 2019 - 22:02
(AFP)

O Pentágono anunciou nesta terça-feira que destinará 3,6 bilhões de dólares para a construção de um trecho de 280 km do muro na fronteira entre Estados Unidos e México, atendendo ao pedido do presidente Donald Trump.

Para desbloquear esta verba, o departamento de Defesa decidiu "adiar" 127 projetos de construção e modernização de instalações militares nos Estados Unidos e no exterior previstos no orçamento do Pentágono para 2019, informou o porta-voz Jonathan Hoffman.

"A distância total é de 175 milhas (280 km)", precisou Kenneth Rapuano, encarregado de Segurança Interna do Pentágono, destacando que a verba servirá para reforçar segmentos de uma barreira já existente, mas considerada insuficiente, e construir novos trechos.

Os trechos estão no Arizona, na altura da cidade de Yuma, na Califórnia, próximos a El Centro e San Diego; e no Texas, nas zonas de Laredo e El Paso.

Segundo o general Andrew Poppas, diretor de operações do Estado-Maior, a construção destes segmentos permitirá reduzir o número de efetivos mobilizados na fronteira para conter a imigração irregular.

Para Trump, a luta contra a imigração ilegal é fundamental, no momento em que um grande número de pessoas foge do chamado Triângulo Norte da América Central, assolado pela miséria e a violência.

Em fevereiro, Trump declarou o estado de emergência nacional para driblar o Congresso e obter verbas para a construção do muro, uma das promessas de campanha de 2016.

Sua decisão de utilizar o orçamento do Pentágono para completar o muro foi questionada na Justiça, mas em julho a Suprema Corte autorizou a medida.

Os projetos adiados pela transferência da verba não foram informados pelo Pentágono.

"Isto é um tapa nas Forças Armadas que servem ao nosso país", disse o líder da minoria democrata no Senado, Chuck Schumer, revelando que um dos projetos afetados envolvia um prédio da academia militar de West Point.

A União Americana pelas Liberdades Civis (ACLU) anunciou que recorrerá à justiça contra a decisão.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.