Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

As reservas de petróleo subiram claramente menos do que o previsto na semana passada nos Estados Unidos

(afp_tickers)

O preço do petróleo registrou uma pequena alta no fechamento do mercado nova-iorquino, que tentava se recuperar depois de três semanas consecutivas de quedas e seguindo atentamente as ameaças geopolíticas em vários países produtores de cru.

O barril de "light sweet crude" (WTI) para entrega em agosto subiu 8 centavos, a 100,91 dólares, na New York Mercantile Exchange (Nymex).

Em Londres, o barril de Brent do Mar do Norte para entrega no mesmo prazo fechou a 106,98 dólares na Intercontinental Exchange (ICE), em uma alta de 32 centavos em relação à última sexta-feira. Ao longo do dia, o Brent chegou a cair para 106,21 dólares, nível mais baixo desde 8 de abril.

O petróleo nova-iorquino "estava em baixa há várias semanas devido à oferta abundante e a uma fraca demanda por gasolina nos Estados Unidos, associada a um retrocesso progressivo dos temores relativos a Iraque e Ucrânia", ressaltou Gene McGillian, da Tradition Energy.

"Mas parecia que o mercado estava se estabilizando na medida em que a crise permanecia sem solução em ambos os países", acrescentou o analista.

A reunião do parlamento iraquiano que deveria dar início ao processo de formação de um novo governo foi adiada para domingo, apesar da urgência de um gabinete para que o governo enfrente os jihadistas, que retomaram a ofensiva.

Nesta segunda, a Ucrânia acusou a Rússia de derrubar um avião militar na região separatista de Lugansk, onde pouco antes o Exército tinha conseguido recuperar o controle do aeroporto da capital da região.

Além disso, após os preços terem sido influenciados nas últimas semanas pela perspectiva de um retorno massivo do petróleo líbio ao mercado mundial, os temores relativos à produção vieram à tona, com os violentos confrontos entre grupos armados pelo controle do aeroporto da capital da Líbia, Trípoli.

AFP