Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

A presidente Dilma Rousseff é vista durante a cúpula dos BRICS em 15 de julho de 2014, em Fortaleza

(afp_tickers)

Os presidentes do grupo de potências emergentes BRICS anunciaram nesta terça-feira a criação de um banco de desenvolvimento com fundos iniciais de 50 bilhões de dólares com sede em Xangai - segundo a declaração oficial da cúpula.

O primeiro presidente do chamado "Novo Banco de Desenvolvimento" será indiano, informou o documento emitido após a VI cúpula do BRICS em Fortaleza.

Os chefes de Estado de Brasil, China, Índia, Rússia e África do Sul também acordaram um fundo de reservas no valor de 100 bilhões de dólares, destinado à ajuda mútua em caso de crise, o que demonstraria a "maturidade" da relação entre os membros do BRICS, segundo a presidente Dilma Rousseff.

"As instituições criadas pelos BRICS serão um meio muito poderoso para prevenir novas dificuldades econômicas", afirmou o presidente russo, Vladimir Putin.

"Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul não podem mais ficar alheios aos grandes temas internacionais", ressaltou Dilma.

"Apesar de uma diminuição no ritmo de crescimento, os países emergentes continuam sendo uma força motriz (...) Consideramos, nesse cenário, as contribuições que os países do BRICS podem oferecer ao mundo em matéria econômica e financeira", completou.

A próxima cúpula do BRICS acontecerá na Rússia em julho de 2015, disse Putin.

AFP