Navigation

Quando o suicídio se torna debate

O japonês que veio à Suíça para se suicidar

Suas funções motoras deterioraram-se devido a um distúrbio neurológico. Yoshi passou a necessitar de bengalas para poder andar. Ester Unterfinger/swissinfo.ch

Um japonês vem à Suíça para morrer. Nós o acompanhamos em sua última viagem. Esta é a sua história.

Este conteúdo foi publicado em 07. setembro 2021 - 10:00

É uma tarde de quarta-feira com leve garoa, algo incomum no início do verão. Yoshi* chega ao aeroporto de Zurique com seus pais em uma cadeira de rodas. Com dificuldade, com a ajuda de duas bengalas, ele eleva seu corpo da cadeira de rodas e entra em um táxi. A viagem continua até Basiléia. "Estou tão aliviado por termos conseguido". Ele olha para fora da janela do carro para a paisagem.

A viagem veio de repente. Há apenas quinze dias, ele decidiu tomar este voo. Há três anos, ele havia recebido uma permissão para o suicídio assistido da associação Lifecircle, sediada em Basiléia. Ele não queria fazer a viagem até depois de 2022, mas em junho sua condição se deteriorou cada vez mais rápido, como uma bala rolando por uma colina abaixo e ganhando impulso. "A insensibilidade na minha garganta e na língua piorou. Eu não conseguia mais engolir alimentos sólidos. Também tive maior dificuldade para mover meus dedos. Eu sentia que minha vida estava em jogo agora".

O suicídio assistido é ilegal no Japão. Ele teve que embarcar no avião antes de não poder mais mover seu corpo, caso contrário seria tarde demais. Ele também teve que convencer seus pais, já que quis que eles o acompanhassem. No início, eles resistiram a seu plano. A dor intensa em seu abdômen caracterizou a viagem, sua última, que durou mais de doze horas.

Quando chegou ao hotel em Basel, ele colocou seu corpo em uma cadeira reclinável com rodas e um encosto de cabeça. Banheiro e sono, fora o que, ele passa o tempo todo nesta cadeira reclinável neste quarto de hotel, nesta cidade estranha.

Comprimidos para dormir, analgésicos e um remédio contra a insensibilidade, esses companheiros diários seus também estão aqui. "Meus músculos do tronco se deterioraram significativamente. Meus órgãos internos têm menos apoio. Eles tocam os nervos, o que causa muita dor", explica Yoshi. Ultimamente, ele nunca consegue dormir mais de três horas por vez. Mesmo com os comprimidos para dormir, ele acorda a cada poucas horas. Assim que seu efeito se reduz, a dor o desperta.

Medicamentos e complementos alimentares. Kaoru Uda / swissinfo.ch

Ele só pode comer suplementos alimentares em forma líquida, iogurte ou mingau. Ele não tem prazer em sorver líquidos para obter as calorias e os nutrientes de que precisa para manter seu corpo funcionando.

"Não quero viver sem dignidade"

Japão. Yoshi foi um funcionário de escritório em seus primeiros quarenta anos, e permaneceu solteiro. Ele viveu com seus pais no leste do país. Ele notou pela primeira vez sinais da doença há cinco anos. Ele sentia dores constantes nos joelhos e não podia mais ficar de pé sobre os dedos dos pés. Em seu check-up anual, seu fígado também mostrou valores incomuns. Após um exame, o médico lhe disse que seus músculos estavam "avariados". O diagnóstico: "suspeita de doença do neuromotora".

Doença neuromotora é um termo genérico para doenças em que a função dos neurônios motores se deteriora. A mais comum delas é a esclerose lateral amiotrófica (ELA). Quando os neurônios motores são prejudicados, os comandos do cérebro não são mais transmitidos e o corpo perde gradualmente a capacidade de se mover como desejado. Eventualmente, há também problemas respiratórios e inevitavelmente a morte. Não há cura. Yoshi não recebeu um diagnóstico definitivo de ELA, mas sintomas semelhantes aos da ELA apareceram gradualmente em seus membros, mãos, abdômen até na garganta e na língua.

Vídeos e blogs de pacientes que sofrem de ELA fizeram com que ele pensasse em seu próprio futuro. "Eu não critico pessoas que usam um respirador mecânico para continuar lutando", diz Yoshi, "mas eu não quero viver sem dignidade".

Dois anos mais tarde, em abril de 2018, ele entrou em contato com a Lifecircle. Não demorou muito até que ele recebesse a luz verde.

No final de maio deste ano, ele ainda podia caminhar cerca de 200 metros com bengalas. Ele continuou a trabalhar de casa para a empresa onde trabalha há 13 anos. Ele também podia desfrutar da comida caseira de sua mãe na mesa de jantar. Até que sua condição se deteriorou repentinamente.

Sem utilidade para a sociedade

Basiléia. Yoshi sente o estresse. Ele tem que se encontrar com dois médicos da Lifecircle. Mesmo que o consentimento para o suicídio assistido já tenha sido dado, ele pode ser revogado se os médicos determinarem que o paciente carece de juízo ou está sob a influência de uma terceira pessoa.

São nove e meia da manhã. Yoshi se reclina em sua cadeira de rodas e fica olhando silenciosamente para a porta. Pouco depois, entra a primeira médica. Seu nome é Erika Preisig. Yoshi responde a suas perguntas sobre sua condição atual e como surgiu a ideia do suicídio assistido. Ele escolhe suas palavras de forma lenta e calma.

Yoshi (à direita) assinando o contrato de consentimento apresentado por Erika Preisig para receber a droga letal. Kaoru Uda / swissinfo.ch

Durante a segunda conversa com outro médico, fala-se sobre o trabalho de Yoshi. "Você manteve seu emprego até pouco antes de sua viagem?" pergunta o médico com um olhar de surpresa no rosto. Yoshi diz: "Foi muito importante para mim contribuir com a sociedade. Mas minha doença não me permite mais fazer isso. Eu não sinto mais nenhum valor em mim mesmo".

As duas conversas duram mais de três horas. "Do ponto de vista médico, não há nada contra seu suicídio assistido". Quando o médico diz isso na segunda conversa, o olhar nervoso de Yoshi relaxa um pouco. Seu suicídio assistido está programado para sábado. Hoje é quinta-feira. Ele quer passar o resto de seu tempo com seus pais.

Ele lhes conta sobre a data marcada. Eles esperam em uma sala separada. Sua mãe pergunta novamente. "Você tem certeza de que não vai mudar de ideia?"

Com muita dor

A doença não deixa mais tempo para Yoshi. À noite, ele sente um desconforto generalizado em seu abdômen. Este é o sinal familiar das dores severas que estão para começar. Mas desta vez, as dores vêm em ondas de intensidade sem precedentes. Ele toma mais comprimidos para dormir do que o normal. Mas três horas depois ele acorda novamente, com uma dor infernal. "Eu não aguento mais". Ele chama Erika Preisig.

Sexta-feira. Pela manhã, ele pede desculpas a seus pais. Por ter que antecipar a data para o suicídio assistido. Eles não são mais estritamente contrários ao suicídio.

Yoshi não pode mais sentar-se em uma cadeira de rodas. "Tenho que poupar minha energia". Ele se levanta na borda da cama e apoia a parte superior de seu corpo na cabeceira. "Tenho menos dores dessa maneira". Ele espera. Uma nova data para o suicídio é então marcada.

"Não tenho um plano B ou um plano C"

Por que viajar até a Suíça?

"Porque eu quero morrer com dignidade humana. Respirar, comer, ir ao banheiro e me comunicar, estes são os pilares básicos da vida. Agora que não posso mais fazer isso, estou tomando a decisão certa para acabar com essa situação".

A família vê as coisas de maneira diferente. Sua mãe implorou: "Eu quero que você viva, não importa o que aconteça". Mas isso nega sua dor e dignidade, diz Yoshi. "Pacientes como eu não querem ter que ficar nas garras do sofrimento. Não queremos que nossas próprias famílias passem por uma situação tão cruel".

O suicídio assistido também é bom para a sociedade, diz ele. "Se um paciente com uma doença terminal quer morrer e pode desistir de sua vida, então enormes recursos médicos podem ser dirigidos a outra pessoa. Para mim, isso é um ato muito ético".

Mas em muitas sociedades a eutanásia não é permitida, ele reflete. "Por que a decisão de dar um respirador mecânico a uma pessoa é considerada aceitável, mas suicídio assistido, não é?"

Ele espera que um dia o suicídio assistido seja legalizado, "para que pacientes como eu possam morrer pacificamente em casa", diz Yoshi.

Três horas antes do suicídio assistido. Ele não tem dúvidas. "Se eu tivesse uma doença curável, eu poderia até tentar. Mas eu não tenho um plano B ou um plano C".

As últimas palavras

São 13h45 da tarde de sexta-feira, dois dias após sua chegada. O sol faz com que os dias de chuva anteriores pareçam uma memória irreal. Ele e seus pais pegam um táxi para as instalações da Lifecircle, perto da Basiléia. A doutora Preisig já esperava pela chegada da família. Ela os levou para um quarto espaçoso com uma cama de solteiro, uma mesa grande e um sofá. O ambiente está imerso na luz solar do início do verão.

Yoshi senta-se em sua cadeira de rodas à mesa e assina um papel após o outro: uma requisição de certidão de óbito, um formulário de consentimento para a eutanásia e um outro para a cremação. Então ele sorri. "Obrigado. Estou pronto".

Às 14h45, Yoshi descalça seus sapatos e deita-se na cama. A Dra. Erika Preisig insere uma agulha na parte de cima da mão direita de Yoshi. Sua mãe fica ao seu lado esquerdo e acaricia ternamente o ombro de seu filho.

Chegou a hora de dizer adeus. O pai diz: "Obrigado por ter vivido conosco todos estes anos. Você sempre foi um tesouro para nós. Divirta-se no céu. Estaremos lá em breve". Ele sorri. Yoshi sorri de volta. "Estarei esperando por você".

A bolsa intravenosa está cheia com uma dose letal de pentobarbital de sódio. Tudo está pronto.

São exatamente 15 horas da tarde. Yoshi diz: "Bem, então estou de saída!" Sem hesitação, ele abre a válvula da infusão com seu dedo.

A droga letal flui lentamente através da cânula para dentro de seu corpo. Yoshi ri: "Está funcionando? Eu não sinto nada", diz ele em voz alta, talvez para esconder seu nervosismo.

Trinta segundos depois, quatro pequenas respirações roncadas foram seus últimos sons.

Assim como Preisig havia explicado, ele entrou em coma. Três minutos depois, o médico colocou um estetoscópio no peito de Yoshi e verificou suas pupilas. Ela disse calmamente: "Sim, ele se foi".

"Sem dor?", perguntou o pai. Preisig colocou suavemente a mão sobre a de Yoshi e disse: "Sim, sem mais dor".

A mão ainda estava quente.

Adaptação: DvSperling

Em conformidade com os padrões da JTI

Em conformidade com os padrões da JTI

Mostrar mais: Certificação JTI para a SWI swissinfo.ch

Os comentários do artigo foram desativados. Veja aqui uma visão geral dos debates em curso com os nossos jornalistas. Junte-se a nós!

Se quiser iniciar uma conversa sobre um tema abordado neste artigo ou se quiser comunicar erros factuais, envie-nos um e-mail para portuguese@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Modificar sua senha

Você quer realmente deletar seu perfil?