Navigation

Regulação da indústria suíça de ouro é pífia

Os trabalhadores na mineração de ouro são geralmente expostos a condições perigosas e insalubres. Copyright 2020 The Associated Press. All Rights Reserved.

A indústria de refinação de ouro suíça voltou a ser investigada com um relatório que critica a falta de controle sobre as importações do metal precioso. O órgão federal de auditoria diz que é muito fácil para importações ilegais entrar no país e que as sanções são inadequadas.

Este conteúdo foi publicado em 24. junho 2020 - 16:53

A maior parte do ouro do mundo passa pela Suíça para ser transformado e refinado a partir da matéria-prima . É um negócio que pode variar entre CHF 60 e CHF 90 bilhões (US$ 70 a 90 bilhões) a cada ano. 

As refinarias insistem que sempre verificam as origens do ouro que recebem para garantir sua procedência de minas bem regulamentadas que respeitem os direitos humanos e a saúde dos trabalhadores. Mas as ONGs reclamam que as leis são, na melhor das hipóteses, fragmentadas, e deixam muita margem de manobra ao setor para se auto-regulamentar.

Agora os auditores públicos declaram que falta à Suíça um meio robusto de fazer cumprir as leis que se aplicam à indústria do ouro. Multas máximas de apenas CHF 2.000 por aceitar ouro sujo são penalidades inadequadas, disse o órgão em um relatório publicado recentemente. Em outras palavras, o monitoramento do ouro não é uma prioridade para as autoridades alfandegárias.

Além disso, o método de registro das importações, que mistura o ouro destinado aos bancos com o que está sendo entregue às refinarias, dificulta o acompanhamento do quadro geral.

Conteúdo externo

Marc Ummel, da ONG Swissaid, disse à televisão pública suíça RTS que o trajeto do ouro das minas através de países terceiros antes que ele acabe na Suíça obscurece ainda mais as coisas. Por exemplo, o ouro venezuelano é canalizado para refinarias suíças através da ilha caribenha de Curaçao. "Esse desvio dificulta o rastreamento da origem do ouro", diz Ummel.

A cadeia de abastecimento complexa também oferece aos comerciantes inescrupulosos a oportunidade de misturar ouro sujo com remessas limpas, de acordo com ONGs.

Tanto a Administração Aduaneira Federal quanto a Associação Suíça de Fabricantes e Comerciantes de Metais Preciosos disseram à RTS que concordavam com o amplo conteúdo do relatório dos auditores e que apreciariam uma supervisão mais rigorosa - dentro do razoável. Deixam de fora as exigências das ONGs para publicar os nomes das minas de ouro com as quais fazem negócio.

O governo tem mostrado pouco apetite para endurecer a legislação em torno do lucrativo comércio de ouro na Suíça. A própria indústria tem feito alguns movimentos de auto-regulamentação, como a Iniciativa Ouro Melhor de 2013.

Enquanto isso, os eleitores vão decidir - neste outono ou no início do próximo ano - sobre uma iniciativa de "Negócios Responsáveis" que tornaria as empresas suíças legalmente responsáveis na Suíça pelos negócios que conduzem no exterior.

Os comentários do artigo foram desativados. Veja aqui uma visão geral dos debates em curso com os nossos jornalistas. Junte-se a nós!

Se quiser iniciar uma conversa sobre um tema abordado neste artigo ou se quiser comunicar erros factuais, envie-nos um e-mail para portuguese@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.