Suíça apresenta sua nova estratégia de relações exteriores

O ministro suíço das Relações Exterior, Ignazio Cassis, apresentou recentemente o projeto de relações externas da Suíça até 2028. Nele, a economia tem um papel importante. Thomas Kern/swissinfo.ch

O governo suíço elaborou uma nova estratégia para as relações exteriores até 2028. No projeto apresentado pelo ministro Ignazio Cassis, estão os grandes desafios do futuro: digitalização, migração e o debate sobre a adesão à União Europeia.

Este conteúdo foi publicado em 19. agosto 2019 - 17:00
Anna Miller, swissinfo.ch

O que é que se passa?

End of insertion

Ignazio Cassis, membro do Conselho Federal (n.r.: corpo de sete ministros que governa o país) e ministro das Relações Exteriores (EDA, na sigla em alemão), quer dar um novo impulso à política externa. Para isso criou um grupo de trabalho no final de 2018 e deu-lhes  a tarefa de elaborar uma "Visão de política externa para a Suíça em 2028" (Avis28).

Por que a Suíça precisa de uma "visão"?

End of insertion

Questões como digitalização, mudança climática, deslocação do poder geopolítico, aumento das tensões geopolíticas, conflitos comerciais, movimentos migratórios e a consequente perda de confiança na política, provocam mudanças e têm um impacto sobre a Suíça, argumenta o ministério suíço das Relações Exteriores.

O governo considera que o mundo se torna mais duro, fragmentado, complicado e difícil de prever. Para a Suíça significa que a situação do país não depende mais só da sua própria gestão, mas também de fatores externos. A Suíça deve agir mais fortemente a partir de uma posição claramente definida e se apresentar unida frente ao mundo. Assim quer estar preparada para os futuros desafios. Ao mesmo tempo, sem perder oportunidades na nova ordem global.

Quais são os objetivos concretos?

End of insertion

A nova estratégia de relações externas focalizou seis áreas: interesses e valores da Suíça, política externa, papel da economia, envolvimento da população, ênfase na ajuda ao desenvolvimento e na migração, digitalização como uma prioridade estabelecida e uma relação clara com a União Europeia.

Segundo essa nova "visão", a política externa suíça segue prioridades temáticas e regionais. As políticas externa e interna estão estreitamente interligadas e pontos fortes do país são "os serviços prestados aos cidadãos e cooperação estreita com a economia suíça". O acesso ao mercado para as empresas suíças é uma prioridade.

Quais são as estratégias consideradas "polêmicas"?

End of insertion

Dois pontos complicados é a economia e as relações com a União Europeia. O ministro Cassis é visto pelos seus críticos como um político próximo do empresariado. Eles lembram que o grupo de trabalho responsável pelo projeto "Visão de Política Externa 2028" contou com a participação de dois altos funcionários das empresas SwissRe (seguradora) e da ABB (tecnologia). E consideram que a política externa da Suíça está demasiadamente orientada aos interesses desses grupos econômicos. O jornal de esquerda WOZ alerta contra "visões perigosas", demasiadamente unilaterais. Todavia Cassis recebe elogios da direita por "colocar a Suíça em primeiro lugar", ou seja, concentrar os esforços nos interesses genuinamente suíços.

No que respeita à adesão da Suíça e as relações com a União Europeia, a nova estratégia se baseia na premissa: "Sim, para o relacionamento; não, para um casamento". Em Bruxelas, onde está o Parlamento Europeu e o Conselho Europeu, os dirigentes continuam abertos às negociações de acordos bilaterais. Todavia a margem de manobra da Suíça nas negociações diminuiu nos últimos anos. Cassis luta pela "melhor integração econômica ao bloco, mas mantendo o máximo de soberania."

O que há de novo?

End of insertion

Os observadores dizem que Cassis pode não ter reinventado a roda, mas fez uma mudança de paradigma ao determinar que os interesses suíços devem guiar a estratégia de cooperação ao desenvolvimento. Em relação à migração, a Suíça deve continuar a cultivar a tradição humanitária, mas também ter em mente sua "importância estratégica". A esquerda teme que o país possa adotar uma política de migração mais restritiva no futuro.

Até que ponto a nova estratégia será adotada?

End of insertion

O documento está sendo discutido atualmente na mídia e no mundo político, mas não foi ainda adotado. A cultura política do país - a democracia direta e sua localização geográfica no centro da Europa - oferece oportunidades, mas também estabelece limites. No entanto, a visão de Cassis não é apenas um balão de ensaio, pois, na prática já ajudou a dar uma nova direção à cooperação para o desenvolvimento.

Conteúdo externo


Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo