Navigation

Suíça tem suas razões para defender o acordo de Dublin

Que acolhida devem receber os imigrantes na Europa? Enquanto a Itália pede a anulação do acordo de Dublin, a Suíça e outros países europeus continuam a defender sua importância. E não é por acaso: a Suíça é, de fato, desde 2009 o país que transferiu o maior número de refugiados, especialmente em direção à Itália.

Este conteúdo foi publicado em 19. fevereiro 2016 - 11:52
swissinfo.ch

Embora a Suíça não esteja entre os principais destinos europeus dos refugiados, ela lidera uma outra classificação entre 2009 e 2014: o de transferência de imigrantes para um outros país membro da União Europeia. Essa é uma prática prevista pelo acordo de Dublin. Assinado em 1990 e adotado pela Suíça em dezembro de 2008, ele estipula que um pedido de asilo só deva ser analisado uma vez, em princípio, no primeiro país onde o imigrante foi registrado. Em grande parte, a Grécia ou Itália.

Todavia nem todos os países são iguais entre si no acordo de Dublin. Em primeiro lugar, o registro dos imigrantes não é sistemático. Em segundo, a regra do "primeiro país de trânsito" é aplicada de forma menos rígida e, finalmente, alguns países colocam barreiras para retomar os solicitantes de asilo. 

Conteúdo externo

Esses elementos explicam as disparidades ilustradas no gráfico. No espaço de seis anos, a Suíça reenviou 19.517 pessoas para um outro país europeu, o que correspondeu a 15% de todos os solicitantes de asilo. A Alemanha, o principal país de destino, transferiu 3% (18.331) e a Suécia, apenas 4% (9946).

A pressão migratória coloca o acordo de Dublin sob uma forte pressão. Em 2014, a Secretaria de Estado para Migrações (SEM, na sigla em francês) solicitou a transferência de 17.377 pessoas, mas apenas 2.461 realmente deixaram a Suíça. As transferências diminuíram 5,8% em relação aos números do ano anterior e isso, apesar de um aumento de 66,3% (cerca de 40.000) dos pedidos de asilo. A SEM justifica a dificuldade pela colaboração cada vez mais difícil com as autoridades italianas.

No período entre 2009 e 2014, a Suíça pode ser vista como uma grande beneficiária do acordo de Dublin: ela reenviou 19.517 solicitantes de asilo, mas outros países reenviaram para ela apenas 2.523.

O gráfico seguinte mostra a diferença entre os pedidos de transferência recebidos por um país e o número efetivo de imigrantes processados segundo as normas previstas no acordo de Dublin.

Conteúdo externo

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.