Navigation

Por que é necessário um memorial do Holocausto em Genebra

Em janeiro de 2020, a exposição ''Lest We Forget We Forget'', do fotógrafo Luigi Toscano, foi inaugurada no Place des Nations. Atualmente em exposição na sede da UNESCO em Paris, apresenta 200 retratos de sobreviventes do genocídio nazista e suas histórias. SWI-Frédéric Burnand

Um memorial do Holocausto poderá ver a luz do dia já no próximo ano em Genebra. Johanne Gurfinkiel, o idealizador do projeto, destaca a importância deste projeto para a Suíça, onde não existem monumentos públicos para recordar as vítimas do genocídio perpetrado pelos nazistas. Entrevista com o chefe da CICAD.

Este conteúdo foi publicado em 01. fevereiro 2021 - 15:30

A ONU escolheu o dia 27 de janeiro para marcar o Dia Internacional de Comemoração em Memória das Vítimas da Shoah. Foi nesta data que o Exército Vermelho libertou os sobreviventes dos campos de concentração e extermínio de Auschwitz em 1945. Um dispositivo no centro da destruição dos judeus da Europa levada a cabo pelo regime hitleriano durante a Segunda Guerra Mundial.

Johanne Gurfinkiel © Keystone / Martial Trezzini

Embora poupada pela guerra, a Suíça viu parte de suas autoridades e círculos econômicos e financeiros comprometidos neste empreendimento assassino desenvolvido em escala industrial. Um passado que a Suíça ainda luta para reconhecer plenamente.

Esta é uma das razões do projeto lançado nesta ocasião por Johanne Gurfinkiel, Secretária Geral da Coordenação Intercomunitária contra o Anti-Semitismo e a Difamação (CICADLink externo). Um memorial que o Congresso Judaico Mundial também exigeLink externo.

swissinfo.ch: Que forma poderia assumir este memorial?

Johanne Gurfinkiel: A cidade de Genebra acolheu com entusiasmo a ideia e expressou seu desejo de vê-la concretizada. Portanto, as discussões podem começar em um projeto onde tudo ainda precisa ser feito. É uma questão de concordar sobre a forma e objetivo do memorial, que deve ser um local de transmissão, e sobre o edital de licitação de um meio artístico. A ideia inicial é que ele seja realizado na área das organizações internacionais, no entorno da Place des Nations.

Por que você acha que este projeto é necessário?

O ódio aos judeus está constantemente reaparecendo. Eles são designados abertamente como bodes expiatórios para a atual pandemia, na Suíça e em outros lugares. Ao mesmo tempo, grupos neonazistas estão se desenvolvendo, buscando minimizar a extensão do genocídio perpetrado pelo regime hitleriano, cuja intenção era o extermínio da população judaica onde quer que ela se encontrasse na Terra.

A Suíça é um dos poucos países que não tem um memorial dedicado à Shoah. Os únicos que existem são os das comunidades judaicas, próximas às sinagogas. Não há, portanto, nenhum monumento aberto a toda a cidade. Este é um desejo que está no coração da ação secular da CICAD.

Em uma discussão há alguns meses, o Congresso Judaico Mundial expressou sua surpresa pela ausência de tal memorial em uma cidade internacional como Genebra, enquanto a ONU homenageia a memória das vítimas da ShoahLink externo a cada 27 de janeiro.

Durante muito tempo, a criação de um lugar assim em Genebra parecia óbvia para muitos. Mas nenhum projeto jamais foi lançado. É por isso que decidimos ir em frente.

Como você explica a falta de um memorial na Suíça?

Há um reconhecimento que surgiu em muitos países europeus que estiveram envolvidos na deportação de judeus da Europa ou no próprio genocídio. Desde que a Suíça foi poupada pela Segunda Guerra Mundial, este problema de lembrança não se desenvolveu na mesma medida que na Alemanha, França ou em qualquer outro lugar.

Dito isto, a escala deste empreendimento genocida se espalhou pela Suíça, como uma série de historiadores e jornalistas tem documentado.

Entretanto, o pleno reconhecimento desse envolvimento ainda não foi alcançado na Suíça. Isto poderia ser um empecilho para seu projeto?

Tenho recebido muitas mensagens de apoio de todos os lados, tanto da direita como da esquerda. Mas é provável que algumas pessoas se sintam prejudicadas por este projeto. Este período da história continua sendo uma ferida aberta porque a Suíça se recusa a fazer o seu luto.

Em todos os debates que estamos conduzindo na Suíça francófona, existe a opinião de que a evocação dessas realidades prejudica a imagem da Suíça e a honra do país sob o pretexto de que a Confederação não deportou seus cidadãos judeus. Seja a imposição do carimbo J nos passaportes, as rejeições nas fronteiras ou os campos de internação, todos esses fatos permanecem em grande parte desconhecidos para a população.

Na virada do século, o trabalho da Comissão Bergier concentrou-se nas relações econômicas entre a Suíça e o Terceiro Reich e em outros estudos de historiadores independentes. Mas se você olhar para a massa de pesquisas históricas realizadas na Suíça desde então, ela quase se tornou um não-assunto, como se a página tivesse sido definitivamente virada.

Internacionalmente, as autoridades suíças sempre mencionam a decisão oficial de criar a Comissão Bergier, ao mesmo tempo em que enfatizam na própria Suíça que seu trabalho é obra de historiadores independentes e não constitui um relatório oficial da Confederação. 

No entanto, noto um interesse constante neste período da história nas escolas onde a CICAD intervém. E isto da parte de alunos não judeus.

Segundo alguns, a memória da Shoah diz respeito apenas aos judeus, como se a noção de um crime contra a humanidade tivesse perdido seu significado.

Élie Wiesel, um sobrevivente dos campos, testemunhou muitas vezes que pensava, após a guerra, que o mundo tinha compreendido o que era genocídio e depois percebeu que não era assim.

Vemos hoje que o próprio significado das palavras que descrevem este genocídio parece ter sido esquecido. Elas são usadas em tudo e mais alguma coisa. Isto facilita o esquecimento e a repetição de crimes contra a humanidade.

O estabelecimento de um memorial é suficiente, quando é fácil esquecer a razão de ser de monumentos erguidos no espaço público?

Esta é de fato uma questão importante. Sem apoio educacional, sem o compromisso dos representantes eleitos e da sociedade civil, um memorial não torna necessariamente possível compreender e lembrar. Este projeto deve levar em conta esta dimensão em sua própria concepção, por exemplo, integrando as possibilidades oferecidas pelas novas tecnologias.

Adaptação: Fernando Hirschy

Os comentários do artigo foram desativados. Veja aqui uma visão geral dos debates em curso com os nossos jornalistas. Junte-se a nós!

Se quiser iniciar uma conversa sobre um tema abordado neste artigo ou se quiser comunicar erros factuais, envie-nos um e-mail para portuguese@swissinfo.ch.

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.