O dinheiro sujo precisa do sigilo bancário para prosperar?

Os bancos suíços estão sob pressão para fazer mais para conter o fluxo de dinheiro sujo. Keystone / Rehan Khan

Se o fim do sigilo bancário suíço deveria tirar o dinheiro sujo do sistema ele parece estar falhando. Golpes criminosos e clamores regulatórios continuam a se acumular contra os bancos. Pior ainda é a alegação de que a Suíça carece de vontade política real para combater a lavagem de dinheiro.

Este conteúdo foi publicado em 05. outubro 2020 - 10:30
swissinfo.ch

Promotores na Suíça e no exterior estão investigando ligações bancárias suíças a uma série de alegados crimes de lavagem de dinheiro e evasão fiscal na Europa, América do Sul, Ásia, Oriente Médio e África (veja o box).

Relatórios sobre de transações suspeitas, elaborados para a Rede de Execução de Crimes Financeiros dos Estados Unidos (FinCEN), mostram bancos suíços movimentando bilhões de dólares em todo o mundo.

Casos recentes de dinheiro sujo

O regulador financeiro suíço FINMA condenou o Banco Syz por não cumprir as regras contra a lavagem de capitais ao negociar com um cliente angolano-português.

No início deste ano, a FINMA considerou Julius Bär culpado de “grave violação da lei do mercado financeiro ” ligada à estatal venezuelana PDVSA. O banco também espera ser multado em dezenas de milhões por promotores americanos por seu papel no caso de corrupção da FIFA.

O banco privado Falcon foi forçado a encerrar suas atividades na Suíça depois de ser queimado no escândalo 1MDB na Malásia. O fechamento carrega a marca de BSI sendo forçado pelos reguladores a vender suas operações suíças para EFG , também por crimes de 1MDBs.

Os bancos suíços também foram implicados na lavagem de subornos do escândalo Petrobras / Odebrecht . A Bélgica acusou o Credit Suisse de ajudar 2.650 clientes a evitar impostos, enquanto o UBS está apelando de uma multa de evasão fiscal francesa de € 3,7 bilhões.

End of insertion

A evidência parece zombar da declaração da Associação de Banqueiros Suíços: “Para os bancos suíços, está claro que um centro financeiro limpo é a chave para ser competitivo. A Suíça e seus bancos não têm nenhum interesse em dinheiro criminoso.”

A Suíça não pode ser culpada por todo o dinheiro sujo que circula pelo mundo. Os arquivos do FinCEN também listam HSBC, Deutsche Bank, Barclays, JP Morgan, Standard Chartered e Arab Bank, entre outros.

E nem todo cliente que deposita dinheiro na Suíça é um oligarca ou ditador corrupto. Ao abolir a distinção legal entre evasão fiscal e fraude fiscal e ao assinar vários tratados de troca automática de informações fiscais, pode-se dizer que a Suíça está fazendo sua parte no combate à corrupção financeira.

O regulador financeiro e procurador estadual estão tomando medidas contra alguns malfeitores. E o volume de relatórios de transações suspeitas apresentados voluntariamente pelos bancos teria sido impensável uma década atrás.

Frustrações

Mas isso não é suficiente, argumentam os críticos. A Suíça é o maior centro de riqueza offshore do mundo, administrando 27% de todos os ativos internacionais -

cerca de 2,3 trilhões de francos suíços (US $ 2,5 trilhões) de indivíduos estrangeiros e famílias no final de 2018.

Em junho, Daniel Thelesklaf demitiu-se abruptamente do cargo de chefe do escritório de combate à lavagem de dinheiro da Suíça apenas alguns meses depois de sua segunda passagem pelo cargo. Uma entrevista recente ao jornal Tages-Anzeiger revelou suas frustrações.

“Quando se trata de lavagem de dinheiro, a Suíça sempre implementa os padrões mínimos obrigatórios absolutos devido à pressão do exterior”, disse ele. “O combate eficaz à lavagem de dinheiro é apenas secundário. Cheguei à conclusão de que não dá para chegar a lugar nenhum”.

Progresso lento

Martin Hilti, CEO da Transparency International Switzerland, disse à emissora pública suíça SRF que o centro financeiro suíço, apesar de sua importância global, ocupa apenas uma posição intermediária ao medir os esforços dos países para combater a lavagem de dinheiro.

Sua principal reclamação é que o parlamento suíço está fazendo o possível para promover as mudanças propostas na lei que responsabilizariam os advogados por relatar clientes suspeitos e fluxos financeiros. Os parlamentares até agora também se recusaram a lançar uma luz mais clara sobre os pagamentos em dinheiro por metais e pedras preciosas. Ambas as câmaras rejeitaram as propostas do Ministério da Fazenda nos debates preliminares.

A Força-Tarefa de Ação Financeira (FATF), órgão global de vigilância contra lavagem de dinheiro e financiamento do terrorismo, concorda com a Hilti. Um relatório de 2016 reconheceu na Suíça progressos no combate à lavagem de dinheiro, mas apontou que ainda persistem reservas sobre outras áreas que incluem a responsabilização de advogados pela criação de empresas de fachada e offshores.

Uma análise provisória de janeiro de 2020 apontou que o progresso nos pontos fracos foi lento demais para a satisfação da FATF. O problema da Suíça é que sua classificação pode passar de “conseguiu bastante, mas poderia fazer melhor” para algo muito pior.


Adaptação: Clarissa Levy

Os comentários do artigo foram desativados. Veja aqui uma visão geral dos debates em curso com os nossos jornalistas. Junte-se a nós!

Se quiser iniciar uma conversa sobre um tema abordado neste artigo ou se quiser comunicar erros factuais, envie-nos um e-mail para portuguese@swissinfo.ch.

Partilhar este artigo