Os produtos encalhados que encontram compradores

Um em cada dez pessoas na Suíça vive abaixo da linha da pobreza. Além da assistência social e diferentes fundações atuantes no país para minorar o problema, iniciativas privadas também ajudam. É o caso da iniciativa "Free Go", que fornece gratuitamente alimentos não vendidos no comércio.

Este conteúdo foi publicado em 18. março 2020 - 12:45

Nos fundos da sede da associação Sym'Bôle, Lilian abre uma geladeira e vê o que foi colocado nas prateleiras. Ela pega algumas cebolas, salada e uma porção de lentilhas com frango e coloca tudo em sua bolsa, junto com o pão.

Essa aposentada suíça é uma das usuárias do Free Go, um programa que disponibiliza alimentos e outros itens não vendidos no comércio. Se tem condições, Lilian coloca ainda uma moeda na caixinha de contribuições que está ao lado da geladeira. É uma oferta importante para ela. "Eu encontro muitas vezes legumes, com os quais posso fazer uma boa sopa. Às vezes, tem até bolo."

A oferta varia. Em alguns dias as prateleiras da geladeira estão vazias devido à alta procura. Os voluntários recolhem mercadorias não vendidas da região e as disponibilizam nas quatro geladeiras espalhadas em outros vilarejos e cidades do cantão. "O objetivo é evitar o desperdício de alimentos e ajudar as pessoas necessitadas. Ao mesmo tempo conscientizamos as pessoas sobre os efeitos do consumo excessivo", explica Marilyn Béguin, presidente da associação Free Go.

A eletricidade consumida pelas geladeiras do Free Go é paga pelos proprietários dos locais onde funcionam. Os controles de temperatura e conteúdo também garantem que os alimentos oferecidos sejam consumidos a qualquer momento. Por exemplo, ao recolher as refeições cozinhadas, os voluntários e parceiros asseguram que as temperaturas sejam reguladas de forma a não danificar os produtos.

As geladeiras estão localizadas em lugares discretos para evitar o constrangimento dos usuários. Assim que chegam os produtos não vendidos, um anúncio é feito no Facebook.

Conteúdo externo

Alimentação e pobreza

"Nós já vivemos a precariedade e sabemos de pessoas que sofrem com isso. Somos assistentes sociais e, ao mesmo tempo, vemos tudo o que é jogado fora na sociedade. Ao mesmo tempo, temos contato diário com as pessoas necessitadas", declara uma das fundadoras da associação. "Muitos nos agradecem por tido uma refeição graças às doações. Mas não é fácil ter orgulho de fazer esse trabalho, pois a situação geral nos preocupa."

Oferecer refeições saudáveis e alimentos locais às pessoas necessitadas é importante. Como mostram as pesquisas de renda e consumo, em tempos de crise as compras de alimentos oferecem uma oportunidade concreta para economizar dinheiro. No entanto, os nutricionistas recomendam alimentos de alta densidade energética, mas uma baixa densidade nutricional. Não é surpreendente que a obesidade afete em primeiro lugar os mais pobres. A Organização Mundial da Saúde (OMS) alerta contra o problema da desnutrição na população de baixa renda.

Muito desperdício

Mais 2,6 milhões de toneladas de alimentos são jogados fora na Suíça por ano. Segundo o ministério suíço do Meio Ambiente, dois terços desse desperdício poderiam ser evitados, já que são alimentos que ainda são comestíveis quando são jogados fora. As residências, restaurantes e lojas são responsáveis por 54% dessas perdas. A Associação Free Go ocupa exatamente essa lacuna: ela convenceu nove parceiros locais a doar as mercadorias não vendidas: as refeições prontas vêm de uma cozinha comunitária; já os pães e legumes são recolhidos em comércios locais.

Kai Reusser / swissinfo.ch

Na Suíça, foram lançadas várias outras iniciativas para combater o desperdício de alimentos, um dos compromissos assumidos pelo país na Agenda 2030 elaborada pela ONU.

Ao contrário do "Too Good to Go" que oferece a compra de alimentos não vendidos a preços reduzidos e nas lojas beneficentes da ONG religiosa Caritas, para usar o Free Go não é necessário ter um cartão de sócio.

As geladeiras Free Go são uma forma democrática e acessível de lidar com o desperdício de alimentos, ao ponto de florescerem em todo o país. Na parte gemanófona funciona a iniciativa "Restessbar.ch", que inspirou posteriormente outras iniciativas semelhantes no país.

Free Go completou um ano de funcionamento é já lançou uma campanha de arrecadação de fundos para financiar a compra de uma câmara refrigerada. "Isso nos permitirá coletar mais refeições quentes em creches e asilos de idosos, por exemplo", explica Marilyn Béguin.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo