Empresas que cabem numa caixa de cartas

Empresas de fachada são uma das estratégias de evasão fiscal usadas por algumas empresas. As organizações internacionais gostariam de acabar com elas. Enquanto isso, essas empresas continuam prosperando na Suíça. Veja como elas funcionam (SRF/swissinfo.ch)

Este conteúdo foi publicado em 31. dezembro 2015 - 11:00

As empresas de fachada, também conhecidas como empresas domiciliadas, são empresas que estabelecem seu domicílio em um país com uma tributação favorável usando apenas um endereço de correio, já que a maior parte de suas atividades comerciais são realizadas em outro país. Isso é feito com o intuito de minimizar suas obrigações fiscais.

Essas empresas geralmente não empregam ninguém onde estão domiciliadas, já que o verdadeiro local de negócios delas está em outro lugar. Por isso, as empresas de fachada são vistas como uma brecha legal para reduzir a carga fiscal sobre as empresas.

A Suíça vem sendo pressionada por organizações internacionais, como a União Europeia e a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico, que criticam os regimes fiscais estaduais e federais que permitem a existência de empresas de fachada.

As autoridades federais e estaduais do país reagiram e atualmente estão reformulando a legislação fiscal suíça.

Desde 2010, o governo federal vem trabalhando na reestruturação da lei de tributação das empresas suíças. Através de um pacote de reformas abrangente, as autoridades visam manter a competitividade internacional da Suíça, estabelecendo um equilíbrio entre a aceitação internacional do sistema de tributação das empresas do país e um fluxo equilibrado de receitas fiscais.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo