Navigation

Cavalos maltratados na Austrália vão parar no prato dos suíços

​​​​​​​

O escândalo do abuso de cavalos ganhou manchetes durante todo o ano passado na Austrália. Keystone / Laura Leon

Um matadouro australiano que fornece carne de cavalo à Suíça foi considerado culpado de abuso de animais.

Este conteúdo foi publicado em 18. fevereiro 2020 - 11:21
RTS/ac

No domingo, o programa "Mise au point" Link externoda emissora pública suíça RTS mostrou imagens de cavalos sendo espancados, chutados e eletrocutados no matadouro Meramist, perto de Brisbane. As filmagens da câmera escondida tiradas no ano passado foram enviadas anonimamente ao grupo suíço de proteção aos animais Tierschutzbund ZurichLink externo.  

Veja abaixo a reportagem-bomba da TV australiana sobre os maus tratos a cavalos (em inglês):

Conteúdo externo


De acordo com os registros alfandegários, cerca de 300 toneladas de carne de cavalo foram importadas da Austrália para a Suíça entre 2018 e 2019. Sabrina Gautner, do Tierschutzbund Zurich, está convencida de que toda a carne de cavalo australiana passa pelo matadouro de Meramist, onde os maus tratos foram filmados.  

"O segundo maior abatedouro australiano aprovado para exportação não está abatendo cavalos no momento, assim que podemos deduzir que o Meramist é o único fornecedor do país para a Suíça", disse ela à RTS. Sua organização quer que a Suíça elimine a importação de carne de cavalo do exterior.

A carne de cavalo australiana é obtida por dois distribuidores na Suíça: um em Basileia e outro em Clarens, perto do Lago de Genebra. A Associação Suíça de Importadores de Carne de Cavalo recusou-se a responder às perguntas enviadas pela RTS.  

A Austrália abate cerca de 100.000 cavalos por ano para exportação. Em 2019, 2.406 toneladas de carne de cavalo foram importadas para a Suíça: 541 toneladas da Argentina, 446 toneladas do Canadá, 408 toneladas da Espanha, 270 toneladas da França, 182 toneladas da Itália, 151 toneladas do Uruguai, 132 toneladas da Austrália. 


Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.