Navigation

Polícia investiga os motivos por trás do ataque terrorista em Lugano

A mulher de 28 anos foi presa no próprio local do ataque. © Keystone / Ti-press / Pablo Gianinazzi

Duas mulheres foram feridas, uma delas gravemente, num suspeito ataque terrorista numa loja de departamentos na cidade de Lugano, no sul da Suíça.

Este conteúdo foi publicado em 25. novembro 2020 - 10:11
Keystone-SDA/Reuters/dos, ug

A polícia do cantão do Ticino disse que a agressora, uma mulher suíça de 28 anos que vive na região, agarrou uma das vítimas pela garganta e atacou a outra com uma faca, também na garganta, na terça-feira à tarde.

Ela foi puxada para longe por um casal no local antes de ser presa. Nenhuma das vítimas corre risco de vida.

Mais tarde, na terça-feira, o Gabinete do Procurador-Geral da Suíça disse que seria aberto um inquérito sobre o ataque e que suspeita-se de motivações terroristas.

Conteúdo externo

A suspeita, de 28 anos, era conhecida das autoridades por conta de uma investigação de terrorismo jihadista em 2017, disse o Departamento de Polícia Federal (Fedpol) na terça-feira à noite, num tweet.

A diretora da Fedpol, Nicoletta della Valle, disse numa conferência de imprensa que, no entanto, é "demasiado cedo" para estabelecer quaisquer ligações entre o incidente em Lugano e outros ataques.

No mês passado, o Serviço Federal de Inteligência (FIS) publicou o seu relatório anual de segurança, e disse que a ameaça terrorista na Suíça foi atualmente agravada, particularmente no contexto da vaga de ataques em outros países europeus este ano.

Está atualmente em curso uma investigação sobre o esfaqueamento fatal de um cidadão português em Morges, na Suíça ocidental, em setembro. Se for considerado um ato terrorista, seria o primeiro incidente deste tipo registrado na Suíça desde 2011.

A presidente suíça Simonetta Sommaruga comprometeu-se a apoiar a população do Ticino numa conversa telefônica com o chefe do governo cantonal do Ticino, segundo a agência noticiosa suíça Keystone-SDA.  

O chanceler austríaco Sebastian Kurz, cujo próprio país foi palco de um tiroteio jihadista mortífero no início deste mês, tweetou a sua condenação do ataque.

Conteúdo externo

"Condeno totalmente o ataque terrorista islamista de hoje em Lugano. Os meus pensamentos estão com as vítimas, desejando-lhes uma recuperação total e rápida. Estamos com a Suíça nessas horas difíceis", acrescentou ele.

Os comentários do artigo foram desativados. Veja aqui uma visão geral dos debates em curso com os nossos jornalistas. Junte-se a nós!

Se quiser iniciar uma conversa sobre um tema abordado neste artigo ou se quiser comunicar erros factuais, envie-nos um e-mail para portuguese@swissinfo.ch.

Partilhar este artigo