A visão de cima: piloto explica a função dos caças para a força aérea

Um avião de caça Boeing F/A-18 Super Hornet decola durante um dia de teste e avaliação na base aérea de Payerne, Suíça, abril de 2019. (KEYSTONE/Valentin Flauraud) © Keystone/ Valentin Flauraud

Mais uma vez, a Suíça debate a compra de novos jatos de caça. Mas que função esses aviões têm realmente que desempenhar? O capitão Maurice "Moe" Mattle dá o seu ponto de vista de cima.

Este conteúdo foi publicado em 14. agosto 2020 - 11:00

Antes de mais nada: o jornalista não deve esperar declarações políticas de um piloto militar profissional, diz Maurice Mattle ao dar as boas-vindas no aeródromo militar de Emmen, cantão de Lucerna. Isso era de se esperar, afinal o assunto é sensível, ainda mais depois do fiasco recente em torno da compra de caças suecos Gripen. Mas não é preciso muita imaginação para imaginar o que o capitão Mattle, de 31 anos, pensa sobre a aquisição de novos aviões de caça, assunto que o eleitorado suíço terá de decidir em 27 de setembro.

swissinfo.ch: Como é o dia-a-dia de um piloto militar?

Maurice Mattle: É preciso distinguir entre dias de treinamento e ações de policiamento aérea. O policiamento protege o espaço aéreo do país. Quando tenho tal tarefa, fico de prontidão permanente em um escritório acima do hangar para, quando necessário, poder estar no ar com um F/A-18 dentro de 15 minutos.

O capitão Maurice "Moe" Mattle. swissinfo.ch

Há também operações especiais como o WEF (Fórum Econômico Mundial em Davos, que ocorre anualmente em fevereiro), mas o resto é treinamento: então eu vôo uma ou duas vezes por dia, cerca de uma hora cada uma. Mais longos são os briefings, antes e depois do vôo, dependendo da complexidade do exercício. Caso contrário, eu treino no simulador e cuido de outros afazeres: administrativos, esportivos, etc.

E quando não há nada na agenda, estudo a aeronave continuamente: o F/A-18 é uma máquina tão complexa que tenho que atualizar constantemente meus conhecimentos com manuais e assim por diante.

Parece ser bem entediante...

Pelo contrário! Para mim, foi a tecnologia que despertou meu interesse em voar. Ainda hoje me fascina que um ser humano possa construir tais máquinas e ao mesmo tempo controla-las. Meu ambiente também teve um papel nisso tudo, já havia vários fãs de aviação na família. E sim, [o filme] "Top Gun" também me influenciou (risos).

Como você entrou para a Força Aérea Suíça?

Comecei a me informar primeiramente na SPHAIR, a plataforma de treinamento da Força Aérea e de toda a indústria aeronáutica suíça. Aí você é guiado durante todo o processo de seleção. Ao mesmo tempo, você tem que alcançar a patente de oficial no Exército suíço. Depois disso, você é colocado na seleção final e de lá você vai para a escola de pilotagem. Comecei o processo aos 16 anos, e foi só dez anos depois que voei um F/A-18 pela primeira vez. Portanto, você tem que ter muita perseverança, mas no final você é recompensado com uma profissão fascinante.

Nova defesa aérea em terra

Quando o povo suíço votar em 27 de setembro sobre a aquisição de novas aeronaves de combate para a Força Aérea, outro negócio estará implicitamente em jogo: os sistemas de defesa aérea em terra, que serão renovados ou expandidos. Como o Conselho Federal havia separado as duas compras, elas não serão afetadas pelo referendo.

Por dois bilhões de francos suíços, os mísseis terra-ar de maior alcance devem ser obtidos através do canal regular de aquisição de armamento. De acordo com o Departamento de Defesa, um fabricante americano e um francês estão em processo de avaliação. O negócio está funcionando em paralelo com a aquisição das aeronaves, cujo modelo o Conselho Federal acabará decidindo.

"Basicamente, os meios de hoje são velhos e têm que ser substituídos", diz Maurice Mattle. "No momento, não há uma interação forte em rede. Isto deve mudar no futuro". O objetivo, de acordo com Mattle, é que a defesa aérea trabalhe em rede a partir do solo e no ar. "Os mísseis guiados por si só não são suficientes para controlar o céu. Também é preciso os olhos e a mente do piloto para avaliar corretamente uma situação".

End of insertion

O que faz alguém querer ser piloto militar?

Para mim, o aspecto técnico sempre esteve em primeiro plano. Não é possível compará-lo com a aviação civil: sento-me sozinho no cockpit e tenho que resolver problemas táticos com os membros de minha equipe em outros aviões e no solo - e não levar as pessoas de A a B o mais rápido possível.

Se eu não tivesse conseguido entrar na força aérea, a aviação civil teria sido uma alternativa. Todo piloto militar obtém sua licença de piloto civil na escola de voo da Swiss, a Lufthansa Aviation Training. Em parte porque a Força Aérea Suíça é muito pequena para poder oferecer todo o know-how. Por outro lado, a força aérea quer explicitamente que seus pilotos tenham licenças civis reconhecidas.

Por quê?

Para tornar a profissão mais atraente: Em todo o cenário da aviação suíça, temos muito poucos pilotos. Eles deveriam, portanto, ter a oportunidade de trabalhar tanto em capacidade civil quanto militar.

É importante notar que somos uma força aérea relativamente pequena, portanto cada piloto tem "trabalhos paralelos". Dependendo de seus interesses e habilidades, eles acabam se especializando em, por exemplo, guerra eletrônica, campos técnicos, etc. Essa é uma questão de idade, como um jovem piloto você voa principalmente para ganhar experiência.
 

Mudanças no ar: um piloto que combate um duelo aéreo em um jato ou ataca alvos terrestres - esta ainda é a imagem comum da guerra aérea nos dias de hoje. No entanto, com o avanço da tecnologia dos drones, muito mudou nos últimos anos: os veículos aéreos não tripulados são cada vez mais utilizados em conflitos. Elon Musk afirmou que a "era dos jatos de caça acabou". Até Ueli Maurer, então Ministro da Defesa, disse em relação à votação do Gripen em 2014, que parte dos F/A-18 poderia um dia ser substituída por drones e um sistema de defesa antimíssil.

End of insertion

Pode-se imaginar uma batalha aérea entre drones e aeronaves num futuro próximo?

A tecnologia está dando grandes saltos adiante, mas não creio que isso aconteça nas próximas décadas. Na situação atual, os drones podem ser usados para reconhecimento e combate em terra - desde que sejamos capazes de controlar o espaço aéreo. Não vejo ainda num futuro próximo drones para tarefas de policiamento aéreo e defesa aérea.

A Força Aérea Suíça pode derrubar drones?

Em princípio, ela pode, mas depende do tamanho e da situação. Na Suíça, os  pequenos drones que vemos estão sob a jurisdição da polícia. As aeronaves ou os sistemas de defesa aérea em terra seriam combatidos por drones maiores.

No meu entendimento do nosso estado, sempre haverá um piloto no campo do policiamento aéreo e da identificação visual que realizará uma avaliação de perto. Posso analisar a situação muito mais rapidamente e decidir por mim mesmo sobre os próximos passos. A propósito, a força aérea tem seus próprios drones de reconhecimento desarmados estacionados aqui em Emmen.

Os novos aviões também viriam para Emmen. Você tem uma preferência pessoal?

Francamente, não. Eu mesmo não pilotei esses aviões. Certamente são todas máquinas modernas, que em princípio são adequadas para as tarefas para as quais precisamos. Então é uma questão de custo-benefício e, é claro, considerações políticas por parte do Conselho Federal podem desempenhar um papel numa decisão deste tipo.

O aeroporto militar de Emmen também guarda um velho Hawker Hunter, que foi usado pela Força Aérea Suíça até 1994. swissinfo.ch


Tempo de voo limitado: As aeronaves são limitadas em horas de voo por razões técnicas. Por exemplo, os jatos F/A-18 devem ser retirados de serviço após 5000 horas por razões de segurança. Como houve atrasos devido à decisão rejeitada dos Gripen, gastou-se CHF 450 milhões na revisão dos F/A-18s suíços para manter a atual força aérea operante até que um novo processo de aquisição pudesse ser realizado. As novas aeronaves estão programadas para entrega a partir de 2025, com uma sobreposição de cerca de 5 anos.

End of insertion

Você ainda será um piloto então?

Há um limite para quando completamos 40 anos de idade, a partir de então você não estará mais ativamente envolvido no esquadrão de primeira linha. Depois disso, você pode continuar voando, dependendo de sua função, como piloto de pessoal, como instrutor de voo, por exemplo - a experiência aumenta a cada aula de voo, e é claro que você quer manter essa habilidade. Mas você precisa dos pilotos com seus conhecimentos específicos também na liderança, por isso é importante que você como portador de conhecimento também seja utilizado em outros campos.

A esquadrilha acrobática PC-7 em uma demonstração durante a Züri Fäscht, grande festa de rua que acontece a cada três anos em Zurique, em 2019. Keystone / Ennio Leanza

Você também é membro da equipe acrobática PC-7 TEAM. Por quê?

Para mim é emocionante porque é uma maneira diferente de voar. No jato eu tenho uma missão clara que tenho que cumprir. Na esquadra, é um esforço de equipe que requer muita precisão - e, claro, confiança. É por isso que nosso espírito de equipe é muito forte, nós também fazemos muita coisa juntos em particular.

PC-7-Team

A esquadrilha PC-7-Team é uma equipe acrobática da Força Aérea Suíça e foi fundada em 1989 por ocasião de seu 75o. aniversário. Os pilotos são pilotos militares do Corpo Aéreo Profissional, que costumam voar F/A-18 Hornets. A equipe recebeu inúmeros prêmios por suas apresentações no exterior. Os PC-7 são aeronaves turboélice de dois lugares do fabricante suíço Pilatus.

End of insertion

Qual é o seu papel na esquadrilha?

Sou o chamado Quattro, que voa no meio, e tenho que manter a posição o mais perfeita possível - os outros se apoiam em mim. Uma formação que voa com nove aviões, com uma distância de três a cinco metros entre cada, requer muita concentração e é muito cansativa.

Com o PC-7 tecnicamente menos avançado também aprendo muito sobre navegação e orientação em terreno desconhecido. E a disciplina é muito importante no voo de formação: não posso falhar nem por um segundo porque cada erro é imediatamente visível para o público. No final, é uma abordagem diferente para desafios similares que tenho com um F/A-18.

Partilhar este artigo