Perspectivas suíças em 10 idiomas

Acordo previdenciário entre Brasil e Suíça entra em vigor

Senhora idosa jogando cartas
Chegar à idade da aposentadoria e poder relaxar: o sonho de muitos imigrantes. Keystone

Uma boa notícia para os migrantes: a partir de outubro entra em vigor um acordo que tramitava desde 2014 nos parlamentos da Suíça e do Brasil. Ele permite, dentre outros, receber aposentadorias nos dois países, mas não ajuda a aumentar o valor recebido. Pois não há transferência do capital acumulado.

Um dilema enfrentado por muitos: os anos de contribuição à previdência contam se um dia a pessoa emigra para outro país e continua a trabalhar? Até então a maioria dos trabalhadores tinha a impressão que os descontos salariais no país de origem haviam sido em vão. Mas depois de cinco anos de negociações, entra a partir de 1º de outubro de 2019 em vigor o Acordo de previdência social entre o Brasil e a Confederação Suíça.

A relevância do tema é tanta que um grupo de brasileiros em Berna organizou em 25 de setembro um evento para explicar de primeira mão as consequências do tratado. O Grupo AtitudeLink externo convidou o advogado brasileiro Marcelo Righi para explicar os detalhes a um público de aproximadamente trinta pessoas. 

As autoridades suíças calculam que aproximadamente 60 mil brasileiros vivem oficialmente na SuíçaLink externo. O número é acrescido também daqueles que se naturalizaram. “Os objetivos dos governos foi se adaptar principalmente à mobilidade crescente do trabalhador”, explicou Righi.

O principal objetivo das autoridades suíças e brasileiras foi de permitir que os trabalhadores que contribuíram para os dois sistemas possam somar os períodos de contribuição para atingir o tempo mínimo necessário à obtenção de aposentadorias e demais benefícios previdenciários. Porém não há fusão dos caixas: cada sistema paga segundo o que o trabalhador contribuiu no próprio país, quando este cumpre as exigências nacionais para poder se aposentar. 

O acordo beneficia todas as pessoas que contribuam ou tenham contribuído à previdência social no Brasil e que contribuam ou tenham contribuído para o seguro de velhice, sobrevivência e invalidez (AHV e IVLink externo, nas siglas em alemão) na Suíça. Ele abrange a aposentadoria por idade e invalidez e pensão por morte.

Assinatura de um acordo entre Suíça e Brasil
O momento em que o acordo foi assinado em 3 de abril de 2014: o ministro suíço da Economia, Johann Schneider-Ammann (segundo, à esquerda) aperta a mão do ministro interino da Previdência Social, Carlos Eduardo Gabas. Ascom/MPS

Com aprovação do acordo, o Brasil conta hoje com 18 acordos previdenciários internacionaisLink externo, abrangendo 23 países. São 16 acordos bilaterais e dois multilaterais (MercosulLink externo e Ibero-americanoLink externo) que agregam mais de um país no mesmo tratado. Eles surgem a partir da demanda das comunidades de migrantes. De acordo com estimativas de 2017 da Organização Mundial do Trabalho (OMT), o número de trabalhadores migrantesLink externo em todo o mundo era de 164 milhões dos 258 milhões de migrantes internacionais.

Como funciona o Acordo previdenciário entre Brasil e SuíçaLink externo? Trabalhei alguns anos no Brasil e hoje vivo e trabalho na Suíça. Como posso me beneficiar? 

Uma boa notícia: a pessoa que contribui para a previdência suíça pode pegar os anos e acrescentar ao tempo mínimo para se aposentar no Brasil – 180 meses de contribuição (ou 12 meses na aposentadoria por invalidez) – desde que os períodos não sejam concomitantes. No caso da aposentadoria por idade, deverão ser observadas também as idades mínimas, hoje 60 anos (mulheres) e 65 anos (homens). Na prática, isso significa que, além da aposentadoria suíça, o migrante brasileiro pode também solicitar uma aposentadoria no Brasil. A recíproca também é verdadeira, sendo que na Suíça o tempo mínimo de contribuição previdenciária é de 1 ano e as idades são 64 anos (mulheres) e 65 anos (homens).  

O cálculo das aposentadorias difere entre os países. No Brasil existe um valor teórico que nunca é inferior ao valor mínimo garantido no Brasil (um salário-mínimo). Esse valor teórico, contudo, é submetido a um segundo cálculo que considera só a proporção do tempo de contribuição realizado no Brasil (cálculo pro rata). Segundo a lei brasileira (Art. 35 §1° do Decreto 3048/1999), o benefício previdenciário, nesse caso, pode ser fixado abaixo do salário-mínimo. Na Suíça o valor resulta de um cálculo complexo, que só leva em conta os períodos de seguro cumpridos sob a legislação suíça. “Não há transferência do capital acumulado entre os diferentes sistemas de previdência nos países signatários desses acordos internacionais”, explica Righi.

Como o dinheiro é pago? O suíço e o brasileiro que se aposentaram na Suíça podem receber sua aposentadoria suíça em qualquer lugar. Há alguns casos de exceção para o cidadão brasileiro, por exemplo, quando ao brasileiro não residente na Suíça for concedida aposentadoria num valor abaixo de 10% do valor mínimo. Nessa hipótese, no lugar do pagamento de prestações mensais é feito o pagamento de uma indenização única. O brasileiro não residente na Suíça ou que pretenda deixar o país definitivamente, também pode optar pelo pagamento da indenização única, quando a aposentadoria concedida oscilar entre 10 e 20% do valor mínimo.

Já os brasileiros que quiserem receber sua aposentadoria brasileiraLink externo podem solicitar que ela seja depositada na conta suíça, mas o INSS desconta 25% das prestações, como imposto incidente na fonte, ao não residente no Brasil. 

O artigo 20 do acordo também assegura ao brasileiro o reembolso das contribuições previdenciárias vertidas na Suíça, caso venha a deixar o país definitivamente, antes da aposentadoria. Feita essa opção, o brasileiro poderá retornar definitivamente ao Brasil, com a sua poupança, mas não poderá pleitear benefícios previdenciários de períodos anteriores, na Suíça, tampouco fará jus à totalização desse período suíço para fins de aposentadoria no Brasil. 

Com a entrada em vigor do Acordo previdenciário entre Brasil e Suíça, ficou resguardada ao cidadão suíço a filiação facultativa ao sistema previdenciário suíço, desde que faça essa opção dentro de um ano, a partir da data que passar a residir no Brasil. Fora essa hipótese, não é mais possível para o trabalhador suíço ou brasileiro contribuir ao mesmo tempo para os sistemas dos dois países. Até então era comum um migrante brasileiro pedir que parentes pagassem seus boletos do INSS com a contribuição de “autônomo” (contribuinte individual). 

Na Suíça:

Schweizerische Ausgleichskasse SAK
IV-Stelle für Versicherte im AuslandLink externo
Tel.: +41 58 461 91 11
E-Mail: oaie@zas.admin.ch

No Brasil:

Agência da Previdência Social RecifeLink externo
Atendimento Acordos Internacionais
E-Mail: apsai15001120@inss.gov.br

Mostrar mais

Mostrar mais

O tesouro escondido dos suíços

Este conteúdo foi publicado em Em apoio ao Seguro de Velhice e Sobrevivência (AVS), a previdência geral administrada pelo Estado, a previdência profissional tem por objetivo garantir, em larga medida, a manutenção do nível de vida em caso de aposentadoria, falecimento ou invalidez. Atualmente 4,1 milhões de pessoas ativas profissionalmente contribuem aos fundos de pensão e às empresas de seguro…

ler mais O tesouro escondido dos suíços

Notícias

Imagem

Mostrar mais

Mercado brasileiro de café atrai Nestlé

Este conteúdo foi publicado em Por meio de sua marca Nescafé, a empresa está focando especialmente nas necessidades e desejos do mercado jovem.

ler mais Mercado brasileiro de café atrai Nestlé
Imagem

Mostrar mais

FIFA abre portas para sair da Suíça

Este conteúdo foi publicado em A entidade máxima do futebol internacional lançou as bases formais para uma saída teórica de sua sede em Zurique.

ler mais FIFA abre portas para sair da Suíça
Imagem

Mostrar mais

Suíça introduz banco de dados para passageiros aéreos

Este conteúdo foi publicado em A Suíça planeja introduzir um banco de dados para os passageiros de voos para coletar e processar dados pessoais em uma tentativa de combater o terrorismo e crimes graves.

ler mais Suíça introduz banco de dados para passageiros aéreos

Certificação JTI para a SWI swissinfo.ch

Mostrar mais: Certificação JTI para a SWI swissinfo.ch

Veja aqui uma visão geral dos debates em curso com os nossos jornalistas. Junte-se a nós!

Se quiser iniciar uma conversa sobre um tema abordado neste artigo ou se quiser comunicar erros factuais, envie-nos um e-mail para portuguese@swissinfo.ch.

SWI swissinfo.ch - sucursal da sociedade suíça de radiodifusão SRG SSR

SWI swissinfo.ch - sucursal da sociedade suíça de radiodifusão SRG SSR