Navigation

Como a Google e outras plataformas enfraquecem as mídias suíças

O público jovem está acostumado a buscar informações diretamente nos seus celulares. sda-ats

Notícias leves, serviços de mensagens que privatizam o debate social e políticos definindo a agenda: o cenário da mídia mudou significativamente nos últimos anos. A Suíça precisa de um novo "patriotismo midiático". É o que sugere o relatório "Qualidade da mídia 2019", recém-publicado pela Universidade de Zurique.

Este conteúdo foi publicado em 14. outubro 2019 - 17:00

A forma de consumir as mídias mudou. O principal motor dessa mudança é a são plataformas como Google, Facebook, Youtube e outras. Elas exercem uma pressão constante sobre o jornalismo profissional, essencial para o processo político-democrático. Resumimos aqui as principais conclusões da última edição do relatório.

Mídias tradicionais em declínio

A concentração aumenta significativamente. A quota de mercado das grandes editoras cresceu, mas o número de publicações diminuiu. Os gigantes da internet são cada vez mais dominantes.

Os aplicativos de mensagens instantâneas se popularizaram e hoje são também utilizados para transmitir notícias. O líder no mercado é o WhatsApp, utilizado regularmente por três quartos dos suíços.

Os atores influentes que, até então determinavam a agenda do noticiário, perderam força. Se antes as principais mídias dominavam a comunicação pública, hoje indivíduos e políticos são capazes e fixar, por si próprio, os temas de notícia.

Os meios de comunicação social estabelecidos perderam ligeiramente em qualidade. Porém os padrões do jornalismo profissional (avaliação dos fatos, identificação de fontes e contribuições editoriais próprias) se mantiveram e fortaleceram, dessa forma a confiança do leitor. Mas a relevância e a diversidade do conteúdo caíram. As notícias "light" ganharam em importância.

Quais são os riscos?

A política se tornou para muitos leitores uma matéria obscura. Um número crescente consome conteúdos não adequados e menos jornais. A participação no processo político-democrático diminuiu e, com ela, a confiança nas instituições que apoiam o Estado.

Plataformas como o WhatsApp promovem a privatização do debate social, que não ocorre mais seguindo o interesse público, mas orientado a interesses particulares. Isto aumenta o risco de que conteúdos problemáticos se propagarem sem a detecção prévia.

As notícias produzidas de acordo com os padrões jornalísticos são, no entanto, essenciais para a democracia, ressaltam os autores do relatório. "É necessário jornalistas competentes e os recursos para produzir conteúdo relevantes para a sociedade", escrevem.

Kai Reusser / swissinfo.ch

Como reagir?

Os pesquisadores não se limitam a analisar os desenvolvimentos do mercado de mídia, mas também propõem formas de reagir. A receita: "patriotismo".

Uma das medidas concretas seria a tributação das receitas publicitárias obtidas pelas plataformas tecnológicas sobre o conteúdo jornalístico.

O apoio aos meios de comunicação social deve ser amplo, direto e "neutro em termos de gênero". Isto significa que, para além da radiodifusão pública, devem ser apoiados outros meios de informação de alta qualidade. A experiência da SSR (da qual a swissinfo.ch faz parte) mostra que a independência editorial não sofre.

Para enfrentar os gigantes globais, é necessário ter uma "herança digital comum": conteúdos oferecidos através de uma infraestrutura comum a todos que produzem conteúdo no país. Essa oferta não deverá prejudicar a concorrência entre publicações. Por conseguinte, essa plataforma deve ser independente do Estado e dos grupos de interesse.

"A mídia de notícias profissional suíça deve ser apoiada diante do crescente fracasso do mercado", preconiza o relatório. 

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Os comentários do artigo foram desativados. Veja aqui uma visão geral dos debates em curso com os nossos jornalistas. Junte-se a nós!

Se quiser iniciar uma conversa sobre um tema abordado neste artigo ou se quiser comunicar erros factuais, envie-nos um e-mail para portuguese@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.