Navigation

Indústria suíça se prepara para o impacto do coronavírus

A China encontra-se virtualmente em estado de sítio para conter o surto de coronavírus. Keystone / Alex Plavevski

Várias indústrias suíças e o setor de turismo doméstico estão se preparando para uma crise causada pela epidemia de coronavírus. A China é o terceiro maior parceiro comercial da Suíça, atrás da União Europeia e dos Estados Unidos.

Este conteúdo foi publicado em 07. fevereiro 2020 - 13:55

A China recorreu a um bloqueio virtual em uma tentativa de conter o contágio que infectou mais de 30.000 pessoas e matou mais de 600 até o momento desta edição (os números devem aumentar nas próximas horas). A Swiss International Airlines e sua controladora Lufthansa suspenderam seus vôosLink externo de e para Pequim e Xangai até o final do mês, afetando também outros destinos.

As empresas suíças que operam na China continental foram forçadas a reduzir ou suspender a produção, pois os funcionários são obrigados a ficar em casa. A empresa de engenharia ABB fechou todas as fábricasLink externo em seu segundo maior mercado, que representou 15% - ou US$ 4 bilhões (CHF 3,9 bilhões) - de sua receita global no ano passado.

As indústrias química e farmacêutica também foram atingidas, segundo o jornal Neue Zürcher Zeitung. O diário zuriquenho relataLink externo que uma nova fábrica construída pela empresa de produtos químicos Zofinger está fechada desde 25 de janeiro.

Muitos dos 7.000 funcionários da Novartis e os 10.000 empregados da Roche na China foram forçados a trabalhar em casa, e não em laboratórios. Mas as duas multinacionais dizem ter planos para lidar com essas emergências.

O órgão que representa os setores suíço de engenharia elétrica, ferramentas de precisão e construção de máquinas disse à swissinfo.ch que alguns membros foram forçados a suspender a produção, mas que era muito cedo para calcular o impacto dessas interrupções no comércio.

Turistas e relógios

De janeiro a setembro de 2019, a China absorveu mais de 15 bilhões de francos suíços das exportações suíças, enquanto as mercadorias que viajam para o outro lado totalizaram cerca de 11 bilhões de francos suíços. Quanto mais a epidemia se prolongar, maior o risco de esses números serem afetados este ano.

As autoridades de turismo suíças esperam, nas próximas semanas, uma queda de 30 a 50% Link externono número de visitantes chineses, que são excelentes consumidores de produtos suíços. Com base nos números de 2018, isso pode representar uma perda de 70.000 a 100.000 dormidas por mês.

As exportações de relógios suíços, que já sofreram com os distúrbios de Hong KongLink externo no ano passado, também podem sofrer um impacto. A maior fabricante de relógios da Suíça, a Swatch, cancelou sua feira de relógios "Time to Move"Link externo, que estava programada para ocorrer no final deste mês em Zurique, por causa do coronavírus.


Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.