Navigation

Skiplink navigation

Regras e custos do "home office" continuam em debate

O trabalho de casa traz tanto novas liberdades como novos problemas Keystone / Jean-christophe Bott

A partir desta semana, montar o escritório em casa é novamente recomendado, sempre que possível, pelo governo suíço. Mas as realidades jurídicas e práticas do teletrabalho não são tão claras.

Este conteúdo foi publicado em 23. outubro 2020 - 15:15

O "home office" tornou-se um termo global desde o início da pandemia de Covid-19. Na Suíça, de acordo com o Departamento Federal de Estatística, o número de empregados a trabalhar a partir de casa duplicou de 25% para 50%.

Uma análise do instituto de análise econômica IFO em Munique mostrou que o home office é uma medida eficaz contra o vírus: comparando as estatísticas de teletrabalho contra as taxas de infecção, constatou que as regiões alemãs mais capazes de implementar o teletrabalho resultaram numa propagação mais lenta do Covid-19.

Mas, caso o vírus desapareça, será que o fenômeno do home office vai seguir o exemplo? De modo algum, diz a Organização Internacional do Trabalho (OIT) com sede em Genebra, que acredita que a experiência atual com o teletrabalho terá um efeito a longo prazo sobre como e onde trabalhamos.

As conclusões da OIT são ecoadas por outros levantamentos, incluindo a plataforma social Xing, que relatou 85% dos gestores de pessoal dizendo que a opção do trabalho em casa continuaria após uma esperada erradicação da Covid-19.

Os fundamentos jurídicos

Tal perspectiva levanta questões práticas e jurídicas. Haverá um direito legal ao escritório em casa? Pode um empregador obrigar os seus empregados a trabalhar a partir de casa? E como são definidas as pausas durante o teletrabalho?

De acordo com a Associação Suíça de Empregadores, que publicou um guia para esclarecer a situação, não existe o direito ao home office na Suíça. Isto significa que um empregado que decide trabalhar a partir de casa sem a autorização do seu empregador corre o risco de sofrer sanções. Mesmo durante o auge da pandemia, os trabalhadores pertencentes aos grupos mais vulneráveis poderiam teoricamente ter sido obrigados a comparecer no seu local de trabalho.

Contudo, os empregadores estão também obrigados por lei a proteger a saúde dos seus trabalhadores: e se não estiver disponível um local de trabalho seguro nem uma opção de teletrabalho, então o empregado pode legalmente ficar em casa com o salário integral, afirma a firma jurídica MME.

Ao mesmo tempo, não existe uma lei que obrigue as pessoas a trabalhar a partir de casa, diz a associação patronal. Os advogados da MME contrariam isso e alegam que a situação era diferente durante a pandemia, quando os empregados estavam obrigados pelo dever fiduciário a cumprir os pedidos de teletrabalho.

O que é menos controverso é o fato de que o quadro legal que se aplica no local de trabalho também se aplica em casa. Os trabalhadores em home office devem ainda observar os termos do seu contrato, a lei laboral, os acordos coletivos, e assim por diante.

Assim, por exemplo, ainda se aplicam regras em torno da frequência das pausas, assim como regras em torno dos turnos noturnos e de fim-de-semana de trabalho.

E os custos?

Um ponto de discórdia que subsiste é quem arca com os custos de tudo isso. O empregador é responsável por despesas como energia, água e aquecimento que são incorridas pelo teletrabalhador? Dois terços dos empregados pensam que sim, de acordo com um inquérito do instituto de pesquisas gfs.bern.

A associação patronal tem uma opinião diferente. As suas diretrizes afirmam que praticamente todos esses custos devem ser incorridos pelos empregados. As exceções são as despesas diretamente relacionadas com o trabalho, e que podem ser comprovadas através da apresentação de recibos - para cartuchos de impressora, por exemplo.

Entretanto, o grupo sindical Travail Suisse receia que alguns empregadores possam acabar por utilizar o escritório em casa simplesmente como um exercício de poupança de custos. Para combater este problema, o grupo diz que, por exemplo, deveria ser oferecida uma compensação aos empregados que necessitam mobiliar o seu próprio espaço de escritório. Eventuais despesas seriam então divididas igualmente entre ambos os lados.

Trabalhadores transfronteiriços

A associação patronal levanta um ponto interessante em relação aos trabalhadores transfronteiriços: se alguém trabalha mais de 25% do seu tempo num país da União Europeia, em vez da Suíça, então está abrangido pelo sistema de segurança social desse país, e deve pagar de forma correspondente.

Se um tal empregado trabalhar mais de 50% a partir de casa, então a lei trabalhista local substituiria também as regras suíças. Na Alemanha, por exemplo, o dia 3 de Outubro - a data da reunificação alemã - é reservado como uma data livre de trabalho, mas não na Suíça.

Da mesma forma, o escritório doméstico para os empregados que vivem do outro lado da fronteira poderia também ter implicações fiscais, escreve a associação patronal - especialmente quando se trata da dedução do imposto retido na fonte.

Os comentários do artigo foram desativados. Veja aqui uma visão geral dos debates em curso com os nossos jornalistas. Junte-se a nós!

Se quiser iniciar uma conversa sobre um tema abordado neste artigo ou se quiser comunicar erros factuais, envie-nos um e-mail para portuguese@swissinfo.ch.

Partilhar este artigo