Suíços não têm tempo para desfrutar de sua riqueza

Mais da metade dos entrevistados se arrepende de não haver viajado o quanto desejariam, ou de não ter vivido uma aventura. Keystone

Apesar de terem a mais alta concentração de bens per capita, 90% dos adultos suíços se queixam de não ter tempo suficiente para fazer o que lhes é mais importante.

Este conteúdo foi publicado em 31. outubro 2017 - 13:49
swissinfo.ch com agências, swissinfo.ch com agências/ets

Os suíços podem ser as pessoas mais ricas da terra, mas toda essa riqueza tem seu preço. Cinco horas para refeições e lazer, sete horas para dormir, uma hora de transporte para o trabalho, oito horas no trabalho e três horas para tarefas domésticas e papelada: a rotina diária deixa pouco tempo livre para se contemplar a vida.

Esse horário impede que eles participem de esportes, passem tempo com amigos, relaxem, aprendam a tocar um instrumento ou um novo idioma. Mais de metade dos quase 8 mil cidadãos entrevistados pelo instituto de pesquisa Sotomo lamentam não ter viajado o suficiente ou terem vivido uma aventura.

A falta de tempo para fazer as coisas que amam acaba levando ao estresse. Dois terços dos adultos dizem que são constantemente estressados ​​devido à falta de tempo. As mulheres são particularmente propensas a esse tipo de estresse, sendo que 35% delas declaram-se muitas vezes ou quase sempre em estado de estresse, em comparação com um quarto dos homens pesquisados.

O trabalho foi apontado como o culpado pela maioria (29%) por devorar as horas de lazer. Nenhuma surpresa nisso. Se tivessem uma escolha, dois terços gostariam de reduzir o horário de trabalho por mais tempo livre. No entanto, um terço dos entrevistados também culpou uma combinação de televisão, internet e "não fazer nada" por também sugar o valioso tempo livre.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo