Navegação

Menu Skip link

Subsites

Funcionalidade principal

João Calvino contribuiu para a fama internacional de Genebra.

(Keystone)

Genebra comemora este ano o 500° aniversário de João Calvino, o reformador protestante que contribuiu para a fama internacional e econômica da cidade.

Para muitos, as celebrações programadas não estão à altura do prestígio do teólogo francês e fundador do Calvinismo.

Pelos seus escritos e os discípulos que formou, João Calvino iniciou e favoreceu o esplendor internacional de Genebra, uma notoriedade sob as cores do protestantismo que se prolongou até o século XX, como explica Bernard Lescaze.

"A ligação com Calvino motivou o presidente americano Woodrow Wilson a escolher Genebra como sede da Sociedade das Nações (1919), organização antecessora das Nações Unidas", cita como exemplo o historiador genebrino.

O reformador protestante também não chega a ser estranho à criação da Cruz Vermelha. "Seus fundadores, Henry Dunant e Gustave Moynier, estavam absorvidos pela ética protestante", lembra-se Lescaze.

Lescaze ainda acrescenta: "Genebra como cidade-refúgio também é uma herança de Calvino, um refugiado protestante". A Genebra internacional e humanitária deve então muito ao teólogo francês, assim como ao seu próprio mercado financeiro.

Redes econômicas

"Calvino valorizava o trabalho e aceitava que o dinheiro gerasse dinheiro, uma atitude rara na Europa da época. Isso favoreceu a gestão de fortuna e o desenvolvimento dos bancos privados em Genebra", ressalta o historiador Bernard Lescaze.

O setor também se aproveitou das redes de famílias protestantes que se instalaram na cidade acompanhando os passos de João Calvino.

O reformador protestante também modelou, segundo Lescaze, as instituições da cidade de Genebra até sua revolução em 1789. Dessa contribuição subsistiram o Colégio de Genebra (também conhecido como Colégio de Calvino) e a Academia (1559), que deu origem no século XIX à Universidade de Genebra.

Celebração criticada

A questão é que as comemorações genebrinas não estarão à altura do legado de João Calvino. Pelo menos essa é a opinião do jornal local. Ao se referir às importantes celebrações genebrinas de 1909, imortalizadas pela construção do chamado "Muro dos Reformadores", a Tribuna de Genebra estimou que as comemorações não estão à autura do evento.

Um julgamento que incomoda Bernard Lescaze. Em primeiro lugar, o historiador nota que nenhuma celebração chegou a ocorrer em 1709 e em 1809. Além disso, as comemorações de 1909 em Genebra também ocorreram em um contexto particular.

"Ainda bastante religiosa, a cidade acabava de ter vivido uma espécie de traumatismo com a separação da Igreja do Estado (1907). Nesse sentido, o 400° aniversário de Calvino foi então a ocasião de afirmar que a Igreja protestante ainda estava viva, forte e potente, além de reafirmar sua influência espiritual e moral na sociedade".

"No plano demográfico, os protestantes já não eram a maioria em 1909, mas ainda eram majoritários na esfera política e econômica."

Minoria protestante

Hoje a situação é completamente diferente. "A separação entre Igreja e Estado já não causa problema. Os protestantes representam apenas 22 a 25% da população genebrina e sua influência é ainda menor."

"Quanto à forma que as celebrações tomaram, se acreditava em 1909 na duração e ancoragem na história. Por isso era lógico construir um monumento de custo elevado: o Muro dos Reformadores."

"Hoje vivemos um tempo mais lúdico. As comemorações serão feitas de maneira mais branda, mais dispersa", avalia Lescaze.

Turismo histórico

Essa opinião não é compartilhada por Xavier Comtesse. "Não houve suficientemente reflexão sobre a marca realmente deixada por João Calvino. Essas celebrações são de fato pouco atraentes. É uma ocasião perdida, enquanto um número crescente de turistas quer seguir os traços da história e que nossos contemporâneos estão procura de sentidos", julga o diretor do grupo suíço de pesquisas Avenir Suisse.

A Secretaria de Turismo de Genebra já lançou várias atividades de promoção do ano de Calvino no mundo. "Encontramos um vivo interesse nos Estados Unidos", assegura Militza Bodi, encarregada de comunicação. Mas à oferta turística proposta (um pernoite, uma visita guiada e uma entrada no Museu da Reforma) falta ainda um destaque maior.

Certo, a austeridade do personagem e a aridez das suas considerações teológicas parecem estar a milhas de distância do espírito atual. Como prova, os meios genebrinos da autodenominada cultura alternativa batizaram a sua cidade com o nome de "Calvingrad" para denunciar o fechamento da maior parte dos espaços culturais autogestionados e o clima pesado de uma cidade "limpa e ordeira".

Calvino, o reformador

Porém Calvino também tem sua parte na modernidade. "A ortodoxia calvinista não durou muito tempo. Calvino também é a figura de um homem revoltado, que estabeleceu uma ligação direta entre o crente e Deus. Um espírito que ainda continua a soprar nos Estados Unidos e em inúmeras comunidades protestantes, como no Brasil ou na Coréia do Sul", salienta Bernard Lescaze.

Xavier Comtesse ainda acrescenta: "Poderíamos nos questionar quais as liberdades trazidas por Calvino. Ao escolher o francês (ao invés do latim) para as suas obras, ao favorecer o diálogo direto entre os indivíduos e Deus, Calvino pode ser visto como um libertador. Ele teria adorado a internet."

swissinfo, Frédéric Burnand

Celebrações em Genebra para o ano de Calvino

Fevereiro a março
Cursos públicos na Faculdade de Teologia sobre a "Ética de Calvino".

23-26 de março
Colóquio internacional no Colégio de Genebra (Calvino) sobre a formação humanista.

24 abril a 31 outubro
Exposição "Um dia na vida de Calvino", no Museu Internacional da Reforma.

24 a 27 de maio
Congresso internacional na Universidade de Genebra sobre o tema: "Calvino e sua influência".

31 de maio
Culto de Pentecostes na Catedral de Genebra transmitido pelo canal Eurovision.

1° a 26 de julho
Espetáculo "João Calvino", dirigido por François Rochaix frente ao Muro dos Reformadores.

10 de julho
Culto comemorativo por ocasião do dia do aniversário de Calvino com a ministra das Relações Exteriores, Micheline Calmy-Rey.

30 de julho a 30 de agosto
Teatro itinerante na cidade antiga intitulada "Calvino, um itinerário".

João Calvino - pequena biografia

João Calvino (Noyon, 10 de Julho de 1509 — Genebra, 27 de Maio de 1564) foi um teólogo cristão francês. Calvino teve uma influência muito grande durante a Reforma Protestante, uma influência que continua até hoje. Portanto, a forma de Protestantismo que ele ensinou e viveu é conhecida por alguns pelo nome Calvinismo, mesmo se o próprio Calvino teria repudiado contundentemente este apelido. Esta variante do Protestantismo viria a ser bem-sucedida em países como a Suíça (país de origem), Países Baixos, África do Sul (entre os africânderes), Inglaterra, Escócia e Estados Unidos da América.

Nascido na Picardia, no norte da França, foi batizado com o nome de Jean Cauvin. A tradução do apelido de família "Cauvin" para o latim Calvinus deu a origem ao nome "Calvin", pelo qual se tornou conhecido. (Texto: Wikipédia em português)


Links

×