Navigation

Suíços querem mais serviços digitais do Estado

Multa de estacionamento proibido com código QR; Zurique, julho de 2020 © Keystone / Christian Beutler

A digitalização está aumentando a pressão sobre o governo, com quase três quartos dos suíços exigindo mais serviços digitais das autoridades, de acordo com uma pesquisa realizada pela consultoria Deloitte.

Este conteúdo foi publicado em 29. dezembro 2020 - 11:20
Keystone-SDA/ts

Seja para pagar multas de estacionamento ou para obter adesivos de pedágio nas rodovias, os suíços querem poder lidar com tais serviços on-line. Um terço dos entrevistados poderia até imaginar se casar por videoconferência.

A grande maioria da população gostaria de ver soluções digitais harmonizadas em toda a Suíça, como por exemplo para a transmissão eletrônica de dados fiscais, registro e cancelamento de registro em seu local de residência, ou para identificação eletrônica via documento de identidade digital.

Entretanto, três quartos dos entrevistados não estão dispostos a pagar mais por esses serviços digitais. Somente para a opção de poder pedir um passaporte ou carteira de identidade on-line, uma pequena maioria sinalizou sua vontade de pagar.

Preocupações

Os entrevistados expressaram grande preocupação com a proteção de dados e a segurança cibernética - o maior obstáculo para a população fazer maior uso dos serviços digitais do Estado. De acordo com Reto Savoia, CEO da Deloitte Suíça, estas preocupações devem ser levadas a sério, especialmente antes da votação nacional sobre a identidade eletrônica em 7 de março de 2021.

No ano passado, 87% dos entrevistados de uma pesquisa disseram que queriam que o Estado não apenas verificasse um sistema nacional de identidade eletrônica, mas também o controlasse. Cerca de 80% também disseram que queriam usar a identidade eletrônica em documentos legais.

A pandemia da Covid não enfraqueceu a confiança nos serviços digitais. Pelo contrário, três quartos da população não haviam mudado de opinião. Para 10%, a confiança tinha até aumentado, especialmente entre os jovens e nas grandes cidades.

A pesquisa da Deloitte foi realizada na segunda quinzena de maio de 2020. É representativa por idade, sexo e região, segundo a empresa, que pesquisou 1.500 pessoas de 16 a 64 anos em economicamente ativas e que vivem na Suíça.


Os comentários do artigo foram desativados. Veja aqui uma visão geral dos debates em curso com os nossos jornalistas. Junte-se a nós!

Se quiser iniciar uma conversa sobre um tema abordado neste artigo ou se quiser comunicar erros factuais, envie-nos um e-mail para portuguese@swissinfo.ch.

Partilhar este artigo